No meio do futebol, um dos ditados mais citados é o de que o mundo da bola dá muitas voltas. E tal afirmação se enquadra perfeitamente na trajetória do meia Nathan no Atlético. 

Contratado no meio de 2018, o jogador demorou a deslanchar com a camisa alvinegra, teve pouco espaço no time no seu primeiro ano na Cidade do Galo e esteve perto de deixar o clube.

Entretanto, em meio ao início ruim de temporada do Atlético, o meia é visto pela torcida e pela comissão técnica como uma das principais esperanças para que o time consiga crescer de rendimento em campo. 

a

Em função da recuperação de uma lesão muscular na coxa direita, sofrida ainda no Brasileiro de 2019, Nathan atuou apenas nos dois últimos jogos do Galo na temporada. Mesmo com poucos minutos neste ano, o jogador é peça chave para o técnico Dudamel no duelo de volta da primeira fase da Copa Sul-Americana com o Unión, da Argentina, amanhã, às 21h30, no Independência.

Com o alvinegro precisando inverter uma desvantagem de 3 a 0 no confronto, o meia vai ter o papel de ajudar a melhorar o rendimento do setor ofensivo, que vem apresentando um desempenho muito ruim em 2020. 

Seja atuando como segundo volante ou armador central, Dudamel espera que Nathan dê mais qualidade e criatividade na articulação das jogadas. 

A ausência de peças que poderiam dar mais qualidade ao ataque, como Cazares (lesionado), Diego Tardelli (recém-contratado) e Savarino (não inscrito) aumentam a importância do meia para o atual momento do Galo. 

Dudamel, inclusive, substituiu o jogador - que vinha tendo uma boa atuação - no segundo tempo da partida contra a Caldense, no último domingo, no Mineirão, visando preservá-lo fisicamente para o duelo com o Unión. 

ALTOS E BAIXOS

Se hoje é considerado a principal alternativa para atuar como armador, Nathan teve que se adaptar a outras funções no Atlético até ganhar a oportunidade de conseguir uma sequência na sua posição de origem. 

Em seu início de Galo, o jogador atuou aberto pelas pontas, especialmente nos primeiros meses de clube, mas sem sucesso. 

A mudança de patamar de Nathan no Atlético ocorreu quando ele foi escalado mais recuado, como primeiro ou segundo volante. 

As boas atuações nas funções o fizeram ganhar prestígio com a torcida e com a diretoria, que conseguiu prorrogar o seu empréstimo junto ao Chelsea, da Inglaterra, que se encerraria em janeiro.