Na eleição mais equilibrada e disputada da história do Cruzeiro, o empresário e economista Wagner Pires de Sá, candidato da situação, venceu o advogado Sérgio Santos Rodrigues, que tinha ao seu lado os irmãos Zezé e Alvimar Perrella, e será o presidente cruzeirense no triênio 2018/2020.

Foram apenas 35 votos de diferença, num pleito que teve 444 dos 465 conselheiros aptos a votar comparecendo ao Salão Nobre do Parque Esportivo do Barro Preto. A Chapa União, encabeçada por Wagner, teve 235 votos, contra 205 da Tríplice Coroa, que tinha Sérgio Santos Rodrigues como candidato a presidente. Cinco conselheiros anularam e outros cinco votaram em branco.

Desafios não faltam ao novo presidente e sua diretoria. No futebol, ele precisa fazer o planejamento para a disputa da Copa Libertadores do ano que vem, quando o Cruzeiro vai tentar reconquistar um título que não comemora há mais de duas décadas.

Além disso, o contrato do técnico Mano Menezes vence em dezembro e ainda não é certa sua permanência na Toca da Raposa II.

Entre os titulares, o volante Hudson só segue no clube se forem pagos ao São Paulo, dono dos seus direitos econômicos, cerca de R$ 5 milhões.

DIVISÃO

Com os caciques políticos do clube em lados opostos, outra tarefa de Wagner Pires de Sá será tentar unir novamente o Cruzeiro. Ao seu lado estão o atual presidente, Gilvan de pinho Tavares, e seu primeiro vice, José Francisco Lemos Filho.

Sérgio Santos Rodrigues era apoiado por Zezé e Alvimar Perrella, que comandaram o Cruzeiro entre 1995 e 2011.

Em novembro acontece a eleição para a presidência do Conselho Deliberativo. E as duas chapas vão concorrer novamente. Pela situação, o candidato é Fernando Torquetti. A oposição tem como cabeça de chapa o senador Zezé Perrella.

Há ainda a preparação para o centenário do clube, que será em 2 de janeiro de 2021 e que precisa ser pensado por Wagner Pires de Sá.

Confira o discurso da vitória do novo mandatário celeste: