No final dos anos de 1990, o técnico Vanderlei Luxemburgo, à época treinador da Seleção Brasileira, utilizou o termo “zagueiro-zagueiro” para justificar a convocação do zagueiro Odvan, então no Vasco, para a equipe verde-amarela. Segundo Luxa, a expressão faz referência ao vigor físico, à força e à seriedade na forma de um defensor atuar.

Muito anos depois, apesar da evolução da posição, vários jogadores conservam essa maneira de atuar. Um deles foi apresentado na Toca da Raposa II, na tarde desta terça-feira (10). Contratado junto ao Corinthians, por empréstimo até o final de 2020, o zagueiro Marllon, de 1,86m, apresentou suas características para o torcedor do Cruzeiro de maneira objetiva. 

“Meu forte é a velocidade, sou um cara que batalha bastante, que luta bastante pelas jogadas; procuro ser um 'zagueiro-zagueiro'”, afirmou o defensor, de 27 anos. 

Antes de se profissionalizar pelo Flamengo, Marllon teve uma rápida passagem pelas categorias de base da Raposa, entre 2008 e 2009, quando tinha 16 anos.

Após rodar por diversas equipes do futebol brasileiro, o zagueiro ganhou destaque no Atlético-GO e na Ponte Preta. O bom momento nas duas equipes chamou atenção do Corinthians, que o contratou em 2018. Entretanto, apesar da expectativa criada, o defensor não conseguiu repetir no Timão as boas performances de outrora.

Depois de um empréstimo ao Bahia e um período em que foi pouco utilizado no time paulista, Marllon chega ao Cruzeiro com o intuito de retomar a carreira e auxiliar a Raposa em seu pior momento na história: “Quero reconstruir a história do clube e a minha. Não tive a sequência ideal, mas não tenho o que falar, só agradecer ao Corinthians e recomeçar aqui”.

Marllon agora aguarda a publicação de seu nome no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF para ganhar condições de jogo. Caso sua inscricção apareça até as 19h desta terça-feira (10), o jogador poderá fazer sua estreia pela Raposa no duelo com o CRB, nesta quarta-feira, às 21h30, no Mineirão, no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. 

Marllon Cruzeiro

Confira outros temas comentados por Marllon em sua apresentação:

Experiência na Série B

É uma competição bastante difícil. Vamos precisar de bastante concentração, foco e guerrear bastante. Fui vencedor dela (Série B) em 2016, e espero sair vencedor neste ano com o Cruzeiro.

Passado e vinda para o Cruzeiro

Não tem como negar jogar pelo Cruzeiro. Fiquei feliz pelo convite quando apareceu, até porque 2008 e 2009 eu passei pela base (do Cruzeiro). Sou muito grato ao clube, que me deu toda a estrutura na época, me fez um vencedor e o homem que hoje eu sou. Espero dar alegrias ao torcedor, ao clube, a todos que estão aqui torcendo por mim, que possamos fazer um grande 2020.

Quando estará à disposição para jogar? Pode ser contra o CRB (se estiver regularizado)?

Sem dúvida nenhuma. Eu estrava treinando normalmente, estou 100% fisicamente, espero a oportunidade, se o Adilson quiser contar comigo, estou à disposição.

Pelo jogo-treino que disputou, já dá pra assimilar o que o Adilson está pedindo?

Com certeza. Aos poucos a gente vai se adaptando o mais rápido possível, para que a gente entre totalmente preparado.

Concorrência

Temos o Mineiro na reta final, a Copa do Brasil a Série B. Vamos precisar de todos, vai ser uma briga sadia ali. São atletas de bastante qualidade, e todos vão dar o máximo para ajudar o Cruzeiro.

O que um jogador com perfil de Série B tem de diferente dos demais?

Guerreia mais. Tem pouco espaço para você jogar os jogos da Série B. Então, se você deixar de guerrear, acaba perdendo os jogos, por mais que você esteja vestindo a camisa do Cruzeiro, ou de A ou B. Tem que guerrear, senão você acaba perdendo os jogos.

Como vê esse processo que o Cruzeiro atravessa desde o ano passado, de rebaixamento e agora de reconstrução?

Eu tinha bastante amigos aqui. A gente fica triste pela história do clube, mas é o momento de reconstruir, levantar a cabeça. É trabalhar bastante em 2020 para colocar o time na elite nacional.

Pressão

A pressão, que tem em todos os lugares, vai ser para a gente subir, mas tenho certeza que a torcida vai nos abraçar, apoiar em todos os momentos, porque ela quer que a gente suba novamente e volte a dar alegrias para ela.

Ficha do jogador

Nome completo: Marllon Gonçalves Jerônimo Borges

Data de nascimento: 16/04/1992

Naturalidade: Rio de Janeiro-RJ

Posição: zagueiro

Altura: 1,86m

Carreira: Cruzeiro (2008), Bangu (2009), Flamengo (2009-2011), Duque de Caxias-RJ (2011), Flamengo (2012), Boa Vista-RJ (2013), Rio Claro-SP (2014), Santa Cruz-PE (2014), Capivariano-SP (2015), Atlético-GO (2015-2016), Ponte Preta (2017), Corinthians (2018), Bahia (2019), Corinthians (2019-2020) e Cruzeiro (desde 03/2020)

Títulos: Campeonato Brasileiro Série B (2016) e Campeonato Paulista (2018 e 2019)