Orgulho LGBTQIA+

Homem transexual tem nome retificado pela Justiça dois anos após a morte

Vanda Sampaio
vsampaio@hojeemdia.com.br
01/07/2022 às 20:59.
Atualizado em 02/07/2022 às 11:18
 (Reprodução Instagram)

(Reprodução Instagram)

Um jovem de 23 anos, negro e transexual, que morreu  em 28 de junho de 2020, foi a segunda pessoa no Brasil a receber retificação póstuma do nome. O ato se deu em meio à celebração do Dia do Orgulho LGBTQIA+, comemorado na última terça-feira (28). O primeiro caso de correção do registro civil foi de Samantha, uma mulher trans, em maio deste ano.

"Foi a conclusão de um sonho. Meu filho deve estar orgulhoso", disse Ivoni Campos, mãe de Demétrio.

A retificação foi conquistada no mutirão de requalificação civil realizado pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro em parceria com a Justiça Itinerante, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Demétrio nasceu em Tamoios, distrito de Cabo Frio, e aos 19 anos se mudou para São Paulo, para tentar a vida como modelo.

Por causa do preconceito pela cor e por ser trans, foi agredido e teve as costelas quebradas.  A mãe relatou que os trabalhos como modelo eram difíceis por causa do racismo e da transfobia.

Para sobreviver, Demétrio trabalhava fazendo bicos como barman e segurança em boates. Com o advento da pandemia, ele ficou sem renda e, pela terceira vez, tentou o suicídio.

A família o acolheu e levou de volta para casa. Mas, aos 23 anos, por conta da depressão, acabou tirando a própria vida.

Leia Mais 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por