Guaidó pede à Europa que intensifique sanções contra regime de Maduro

Agência Brasil
07/03/2019 às 09:34.
Atualizado em 05/09/2021 às 16:52
 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O autoproclamado presidente venezuelano, Juan Guaidó, apelou nesta quinta-feira, (7) à Europa a intensificar as sanções econômicas contra o regime de Nicolás Maduro, após a expulsão do embaixador da Alemanha no país.

"Os países europeus devem reforçar as sanções econômicas contra o regime. A comunidade internacional deve evitar que o dinheiro venezuelano seja utilizado para matar opositores do regime e povos indígenas", defendeu em entrevista à revista alemã Der Spiegel.

Nessa quarta-feira (6), a Venezuela declarou "persona non grata" o embaixador da Alemanha em Caracas, Daniel Martín Kriener, a quem acusa de "recorrentes atos de ingerência" em assuntos internos, e deu ao diplomata 48 horas para sair do país.

À Der Spiegel, Guaidó reiterou que "condena veementemente" a decisão e pediu ao embaixador para ficar na Venezuela.

"A Venezuela vive sob uma ditadura e esta abordagem é uma ameaça para a Alemanha. Não é legítimo declarar um embaixador como indesejável", considerou Guaidó, que agradeceu à Alemanha "a ajuda humanitária que prestou".

Daniel Martín Kriener foi um dos embaixadores europeus que receberam, segunda-feira (4), no Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, que regressava de viagem a vários países da região.

"O regime não está apenas ameaçando verbalmente o embaixador, a sua integridade física também está ameaçada", disse Guaidó.


Leia mais:
Insatisfeitos com chavismo, sindicatos definem greves em reunião com Guaidó
Sem mencionar retorno de opositor, Maduro indica que se manterá no poder
Guaidó vai se reunir com funcionários públicos

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por