Será lançada na próxima terça-feira (19) uma Chamada de Apoio a Redes de Pesquisa para Recuperação da Bacia do Rio Doce. Serão R$ 11 milhões investidos em projetos de diversas áreas para mitigar os impactos do lançamento de toneladas de rejeito de minérios após o rompimento da barragam de Fundão, em Mariana, em novembro do ano passado.

O objetivo da chamada é apoiar projetos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação visando a formação de pós-graduados, além de gerar conhecimento, tecnologias e processos voltados para a recuperação da Bacia e ecossistemas associados. Essa é a segunda chamada desde a tragédia que devastoun o distrito de Bento Rodrigues. A primeira foi lançada em janeiro deste ano e está em fase de avaliação.

A iniciativa é uma parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Agência Nacional de Águas (ANA).

As propostas aprovadas serão financiadas com recursos no valor global estimado de R$ 11.250.000,00 (onze milhões duzentos e cinquenta mil reais), sendo: R$4 milhões oriundos da FAPEMIG, R$4 milhões da Capes, R$2 milhões da Fapes, R$1milhão do CNPq e R$250 mil da ANA. A duração máxima dos projetos é de 48 meses, a contar da data de contratação da proposta. Os recursos de custeio serão liberados em até quatro parcelas, de acordo com a disponibilidade orçamentária e financeira das Agências. As propostas devem ser submetidas até o dia 20 de junho de 2016.

Evento: Chamada de Apoio a Redes de Pesquisa para Recuperação da Bacia do Rio Doce
Data e horário: 19 de abril, às 16h
Local: Auditório da FAPEMIG – Av. José Cândido da Silveira, 1500 – Horto – Belo Horizonte.

Leia mais

Edital da Fapemig busca soluções para recuperar a Bacia do Rio Doce
Mariana discute na terça-feira sobre preservação de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo
Técnica da barriga de aluguel em peixes pode salvar o rio Doce