O Dia dos Pais abre o calendário de datas comemorativas do segundo semestre, período historicamente mais rentável para o comércio. Este ano, 86,4% dos empresários esperam resultados iguais ou superiores registrados em 2020, de acordo com pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG).

Economista-chefe da entidade, Guilherme Almeida acredita que o otimismo está relacionado a melhora dos indicadores da Covid-19 em Minas Gerais e a recuperação da confiança do setor. Entre os segmentos econômicos mais beneficiados pela data se destacam: tecidos, vestuário e calçados (78%).

A surpresa veio na segunda colocação na lista de intenção, que são combustíveis e lubrificantes (64,3%). O economista-chefe da Fecomércio explica que esses itens apareceram nessa posição porque muitos consumidores devem aproveitar a data para visitar os pais que moram em outras cidades.    

Entre os itens que devem ser destaque neste ano estão ainda produtos alimentícios, bebidas e fumo (58,9%); joias, ótica, artigos recreativos e esportivos e eletrônicos (55,6%), além de móveis e eletrodomésticos (53,6%).

Segundo a pesquisa, metade dos entrevistados (50,6%) projeta gastos entre R$ 30 e R$ 100. Apesar do ticket médio não ser muito alto, Guilherme Almeida analisa que as vendas do Dia dos Pais vão permitir a recuperação para algumas empresas.

Grande parte dos consumidores deve fazer as aquisições na semana que vem, que coincide com a abertura do período de liquidações de inverno.

O levantamento “Expectativas do Comércio Varejista – Dia dos Pais 2021” foi realizado com 406 empresas do comércio varejista de Minas Gerais, de 6 a 15 de julho. A margem de erro da análise é de 5 pontos percentuais.

Acompanhe a entrevista na íntegra.