Com 109 anos de existência, o Instituto de Educação de Minas Gerais (IEMG) começa a dar sinais urgentes de reforma. Segundo funcionários da instituição, o prédio não passa por reparos e, agora, o telhado do teto principal, próximo ao auditório, ameaça cair. Pelo local, circulam cerca de 4 mil alunos diariamente.


A escola fica no bairro Funcionários (Centro-Sul) e é uma das mais tradicionais da capital.


“É um colégio que está longe de estar na condição ideal para o uso dos estudantes. Quando chove, goteiras chegam a se formar nas salas de aula”, explicou o diretor da União Estadual dos Estudantes (UEE-MG), Patrick Souza.


O assunto foi levantado por diretores da escola durante audiência pública da Comissão De Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, na última semana.


Após o encontro, deputados da comissão enviaram um requerimento para a Secretaria de Educação e para o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (Iepha), pedindo providências para a situação.


Segundo o deputado Paulo Lamac (PT), um dos autores do requerimento, a situação não é nova. “É um assunto que já havia sido levantado na legislatura passada. Existe risco e entendemos que a segurança do estudante tem que estar em primeiro lugar”, salientou.


Para o deputado Cristiano Silveira (PT), outro autor do documento enviado aos órgãos estaduais, é necessário que o governo apresente um projeto de reforma do espaço. “Queremos saber se há projeto elaborado, cronograma de execução e também engenheiro para avaliar a condição de segurança atualmente”, destacou.

Ação do tempo ameaça escola centenária

No Instituto de Educação, problema é o telhado, que ameaça ruir

Isolamento


Em nota, a Secretaria Estadual de Educação informou que engenheiros da Superintendência Regional de Ensino (SRE) Metropolitana acompanham a situação do IEMG. Segundo o órgão, os espaços onde o telhado está comprometido foram isolados e as demais salas funcionam normalmente.


Já o Iepha informou que encaminhou notas técnicas à unidade escolar e à SEE na gestão passada, no entanto, o Executivo não chegou a realizar o processo de licitação do projeto de reforma.


Projeto pronto


De acordo com a assessoria de imprensa do Partido Progressista (PP), do ex-governador Alberto Pinto Coelho, o projeto para reforma do telhado do IEMG já está pronto desde a última gestão. Segundo a nota, falta abertura de licitação.


Intervenções começaram em outras unidades tombadas, mas foram interrompidas


Também tombadas pelo Patrimônio Histórico Cultural, escolas estaduais que passam por reforma estão com as obras paralisadas.


Enquanto isso, estudantes são realocados em outros espaços. É o caso dos alunos da Escola Estadual Barão do Rio Branco, situada na Savassi (Centro-Sul), que frequentam as aulas no prédio do Instituto de Educação. A escola, construída em 1914, passa por reformas e restauração, mas até o momento não há previsão para retorno das intervenções.


Zona leste


A situação é semelhante na Escola Estadual Barão de Macaúbas, no Floresta. Por lá, nada de reformas também.


De acordo com nota divulgada pela Secretaria de Estado de Educação, as obras foram paralisadas no fim da gestão anterior. O órgão informou ainda que “o plano de reinício está em processo de conclusão”. No entanto, não divulgou prazo para quando elas serão retomadas.


Por outro lado, a assessoria de imprensa do PP destacou que durante a gestão anterior não houve ordem de paralisação das obras.