Barão de Cocais - A situação da barragem Sul Superior, na Mina Gongo Soco, em Barão de Cocais, na região Central de Minas, é principal preocupação da Defesa Civil estadual. A estrutura não tem a estabilidade garantida desde fevereiro e, segundo a Vale, responsável por ela, está classificada no nível 3, o que significa situação iminente de rompimento. 

De acordo com o major Eduardo Lopes, superintendente de Gestão de Risco da Defesa Civil do Estado, o rompimento da barragem não vai ocorrer, necessariamente, com a queda do talude norte da mina. “O deslocamento do talude permanece com uma deformação que não é uniforme, e isso gera uma série de possibilidades como o deslizamento parcial ou completo da estrutura para o fundo da cava”, explicou. “A nossa preocupação é com a barragem. Nossas ações de prevenção e referências em termos de tempo para agir é em relação ao possível rompimento da barragem”, acrescentou. 

Neste sábado (25), a Agência Nacional de Mineração (ANM) informou à Defesa Civil Estadual que uma área do talude movimentou 18 centímetros. O órgão estadual afirmou, entretanto, que não é possível cravar como ocorrerá o deslizamento da estrutura. “Esse provável deslizamento não podemos afirmar como se dará. Estamos em constante contato com a equipe de engenharia da Vale”, informou o superintendente de Gestão de Risco da Defesa Civil de Minas Gerais. 

Entre os moradores de Barão de Cocais circula a informação de que a queda do talude pode acontecer na terça-feira (28). A Defesa Civil, entretanto, não confirma a informação, que, segundo o órgão, é de responsabilidade da Vale. Procurada pela reportagem, a mineradora não se manifestou sobre o assunto. 

Major Eduardo Lopes, superintendente de Gestão de Risco da Defesa Civil do Estado

Major da Defesa Civil estadual não confirma informação de moradores da cidade de que data do provável rompimento do talude da mina seria na próxima terça-feira

Leia mais:

Moradores de Barão de Cocais relatam apreensão diante de possível rompimento de talude de mina

Quatro meses após tragédia em Brumadinho, moradores de BH passam por simulado