A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), em Minas, informou, na noite de quarta-feira (9), que acionou a Justiça contra a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) por conta do decreto que proíbe estabelecimentos da capital de comercializarem bebidas alcoólicas. A restrição do Executivo é parte do protocolo de enfrentamento e prevenção à pandemia da Covid-19.

Segundo o presidente da Abrasel, Matheus Daniel, a entidade aguardou um posicionamento positivo para o setor até quarta-feira (9), mas não obteve resposta. Em defesa dos trabalhadores e donos de bares e restaurantes, a associação acionou a PBH na Justiça para tentar revogar a decisão.

“Nós demos o prazo para eles nos responderem se alguma coisa poderia ser feita, mas, infelizmente, mais uma vez a prefeitura se calou diante de um problema tão grave. As pessoas precisam sobreviver. Em nome de milhares de trabalhadores de bares e restaurantes, a Abrasel está entrando na justiça mais uma vez para poder tentar ser ouvida, para que milhares de pessoas sejam ouvidas. Elas precisam trabalhar”, afirmou o representante, em vídeo nas redes sociais.

A PBH informou que, até o momento, não foi notificada.

Decreto

O consumo de bebidas alcoólicas em bares, restaurantes e outros estabelecimentos de alimentação de Belo Horizonte foi proibido pela prefeitura da capital, conforme decreto publicado na última sexta-feira (4), no Diário Oficial do Município (DOM). A medida começou a valer a partir de segunda (7).

De acordo com o texto, comerciantes têm um novo cronograma de funcionamento. Outros alimentos e bebidas ainda podem ser consumidos nos locais.  

A restrição, conforme a PBH, acontece como parte do protocolo de enfrentamento e prevenção à pandemia da Covid-19. O decreto, por outro lado, autoriza a realização de eventos de iluminação e decoração de Natal e caravanas comemorativas, desde que aconteçam sem divulgação prévia e sem potencial de atração de público para evitar aglomerações.

Padarias e lanchonetes poderão funcionar diariamente, entre 5h e 22h, com consumo no local liberado.

Pandemia da Covid-19

Segundo os dados do boletim epidemiológico divulgado na quarta-feira, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), reservados para pacientes com Covid-19 em hospitais de Belo Horizonte, já atinge 58,1%. Cinco novas mortes foram confirmadas, ultrapassando a marca de 1.700 óbitos na cidade.

Leia mais:

Com mais de 53 mil casos em 24 horas, Brasil soma 6,72 milhões de infectados pela Covid
Comerciantes protestam contra decreto que proíbe venda de bebidas alcoólicas em BH
Taxa de ocupação dos leitos de UTI continua subindo e atinge 58,1% em BH; mortes passam de 1.700