O julgamento de uma mulher, acusada de matar o marido para ficar com a herança dele, foi adiado para o dia 3 de fevereiro de 2020. O 2º Tribunal do Júri começaria a ouvir testemunhas do caso nesta terça-feira (5), mas a ré, que responde ao processo em liberdade, não compareceu.

Segundo o juiz Ricardo Sávio de Oliveira, não era possível dar continuidade no julgamento porque não houve comprovação de que a intimação foi entregue à acusada em Santo Antônio do Itambé, no Vale do Jequitinhonha.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, a mulher teria contratado um pistoleiro da região para matar o marido dela, mediante pagamento. A vítima, com 76 anos de idade, era um rico fazendeiro local. Para os promotores, ela desejou a morte da vítima para receber sua herança e se relacionar com outros homens.