O adolescente de 16 anos que estava desaparecido desde terça-feira (5) foi encontrado morto na avenida Afonso Pena, no Centro de Belo Horizonte. Robson Soares da Silva, conforme familiares, era morador de Lagoa Santa, na Grande BH, e estava com alguns amigos na capital mineira para curtir o Carnaval.

Conforme relato de familiares, o jovem estava hospedado na casa da avó, no bairro Grajaú, região Oeste da cidade. Depois de participar da festa momesca, ele e os colegas foram para a residência, onde chegaram por volta das 23h. O grupo teria ido dormir e, no dia seguinte, o menor não foi encontrado.

Um amigo teria ido até o quarto chamar o adolescente para ir embora, por volta das 11h de quarta-feira (6), mas no cômodo encontrou somente a carteira e alguns pertences de Robson. O celular não estava, mas o aparelho estava desligado quando os colegas e parentes tentaram contato.

Ainda na quarta, a Polícia Militar encontrou o corpo de um jovem caído na avenida Afonso Pena. No Boletim de Ocorrência, testemunhas relataram que houve uma confusão, provavelmente em decorrência de um assalto, quando um jovem, que estava sem documentação, caiu no chão e bateu a cabeça.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). Lá foi identificado e liberado para a família na madrugada desta quinta-feira (7). A Policia Civil informou que somente o laudo de necropsia pode constatar a causa da morte. O resultado deve sair em até 30 dias.

Luto

O corpo de Robson foi velado nesta manhã no Cemitério Municipal Campo da Saudade, em Lagoa Santa. O enterro está previsto para ocorrer no mesmo local, por volta das 14 horas. 

Ele cursava o 2º ano do ensino médio no Chromos Lagoa Santa. A instituição decretou luto e suspendeu as aulas no turno da manhã para os alunos no ensino médio. Na parte da tarde, as provas que estavam previstas também para os estudantes do ensino médio foram adiadas. Por nota, a instituição declarou que presta "condolências aos familiares e amigos por essa irreparável perda".

Leia mais:
PM vai mudar estratégia de policiamento após crimes na Praça da Estação
Mais de 60% dos atendimentos médicos na folia de BH foram por álcool e drogas