Filas e aglomeração de consumidores. Esse era o cenário na porta de um dos shoppings de Belo Horizonte, na região central. Nesta quinta-feira (6), os centros de compras reabriram as portas ao meio-dia. Porém, dezenas de pessoas chegaram ao local com até uma hora de antecedência.

Após 139 dias de interdição total, os espaços receberam o aval da prefeitura, mas devem seguir uma série de regras para evitar a transmissão do novo coronavírus. Cinema, praças de alimentação e espaço de lazer para crianças não podem funcionar.

Às 10h50, a auxiliar de inclusão Gabriela Assis, de 21 anos, já esperava em um dos portões do centro de compras. A jovem explicou que deixou o isolamento social para ir ao local para arrumar um relógio. O aparelho estragou e teve a garantia vencida durante a pandemia.

“Liguei na loja e informaram que eu poderia vir para providenciar o reparo. Decidi fazer isso já no primeiro dia por segurança, para não perder o relógio”, explicou.

Gabriela só não sabia que, assim como ela, muitos também estariam no local nesta quinta. A guia turística Denise Lins Resende, de 52 anos, não escondeu que estava com saudade de fazer compras. “No shopping encontramos de tudo. Tinha ficado sem opção porque estava tudo fechado”, disse.

A guia enfrentou a fila e avaliou que a quantidade de pessoas se deve à demora em liberar o comércio. “As lojas ficaram fechadas por longo período. Então, é claro que agora vai aglomerar”.

A Guarda Municipal acompanhou a reabertura. Agentes da corporação estimaram que, só na fila, pelo menos 300 aguardavam o acesso a uma das portarias do Shopping Cidade. “Estamos aqui para garantir a segurança e verificar se haverá alguma ocorrência. Mas, por enquanto, a situação está tranquila”, disse o guarda Moisés.

Segurança

Mesmo com a liberação do comércio, especialistas da área da saúde pedem que a população evite possíveis abusos. Médicos aconselham aos moradores sair de casa apenas para fazer o essencial.

Conforme a Secretaria Estadual de Saúde (SES), BH tem 621 mortes provocadas pelo novo coronavírus e 22.055 infectados. A ocupação dos leitos de UTI preocupa. A taxa está em 79,4%, no patamar vermelho, considerado de alerta.

Quarentena

O distanciamento social em BH foi recomendado em 18 de março e, dois dias depois, a prefeitura determinou o fechamento de todos os serviços considerados não essenciais. As lojas da capital permaneceram fechadas por 66 dias, quando em 25 de maio a metrópole deu início à primeira fase da flexibilização gradual do comércio. 

Na ocasião, salões de beleza, lojas de cosméticos, brinquedos, veículos automotores e até shoppings populares reabriram as portas. Duas semanas depois, foi a vez de lojas de calçados, armas, acessórios e artesanatos. Porém, por causa da explosão de casos e mortes por Covid-19, em 29 de junho o prefeito Alexandre Kalil (PSD) voltou a proibir o funcionamento.

Veja, na íntegra, a nota enviada pelo Shopping Cidade:

"A reabertura do Shopping Cidade nesta quinta-feira, 06/08, seguiu todos os protocolos de segurança e boas práticas elaborados pela Abrasce (Associação Brasileira de Shoppings Centers) e validados pelo Hospital Mater Dei, além de obedecerem a todas as normas sanitárias da Prefeitura de Belo Horizonte.

Foram tomadas medidas como uso obrigatório de máscara por todos, medição de temperatura antes da entrada dos clientes e colaboradores no shopping, marcação de distanciamento nos corredores do mall, escadas rolantes, elevadores e praças de alimentação, dispensers de álcool em gel, além de protocolo reforçado de limpeza e cartilhas com medidas a serem seguidas pelos lojistas, de acordo com o ramo de atuação. Os colaboradores internos do shopping também receberam vídeos de treinamento, manual de segurança e boas práticas.

Além disso, o Shopping Cidade contratou o Dr. Mozar de Castro Neto, médico clínico e infectologista com vários anos de atuação, Superintendente Técnico do Hospital da Baleia e Vice-presidente da Fundação Benjamim Guimarães, que está orientando todas as medidas a serem implementadas. O mall também conta com assessoria completa da empresa Biocentro, de Medicina e Segurança do trabalho.

A capacidade de pessoas que poderão permanecer dentro do shopping ao mesmo tempo foi reduzida, de acordo com as diretrizes da PBH. Os clientes terão que entrar um de cada vez, após a medição da temperatura e respeitar as marcações no piso do mall para manter o devido distanciamento. O Shopping Cidade possui um sistema de câmeras que possibilita a contagem do fluxo de pessoas, pelo qual consegue identificar o número de clientes que  entrou, quantos saíram e quantos permanecem no mall. As praças de alimentação estão funcionando exclusivamente para delivery ou retire aqui.

O Shopping Cidade orienta seus clientes a evitarem aglomerações do lado de fora do mall e no seu entorno e reforça o pedido para que todos sigam os protocolos de combate ao novo coronavírus, como as demarcações de distanciamento e uso de máscaras na fila de entrada, assim como no interior do centro de compras.

Além da reabertura das lojas físicas, o Shopping Cidade dispõe de outros formatos de compras, como drive thru, delivery, retire aqui e venda pelo whatsapp das lojas, disponível pelas redes sociais do mall, para atender a todos da melhor forma e com toda a segurança exigida pelo momento.

Atualmente, o Shopping Cidade possui 170 operações, entre lojas e quiosques".