A ajuda a Estados e municípios, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, deve ser transferida até a próxima terça-feira (9), informou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante coletiva em Brasília, nesta quarta-feira (3). Segundo ele, essa informação foi passada pela equipe econômica do governo.

Para Minas Gerais, a parcela de R$ 750 milhões é aguardada para auxiliar no pagamento dos servidores públicos. Até o momento, a escala só foi anunciada para profissionais da saúde e da segurança pública, que receberão o salário no dia 15 de junho.

O presidente da Câmara também afirmou que espera que o governo encaminhe um texto sobre a possível ampliação do auxílio emergencial a ser pago para trabalhadores informais. Parlamentares querem estender o benefício por mais de três meses, conforme prevê a lei que regulamentou a renda emergencial.

Para Maia, se o prazo for ampliado, é preciso que o Executivo crie mecanismos para impedir fraudes no acesso ao benefício. “Todo o cadastro único foi construído pelos municípios junto com o governo federal, que organizava os programas sociais. Desta vez, o governo fez a operação com a Caixa Econômica Federal de forma isolada e está dando problema. Espero que seja corrigido. O correto é que tivéssemos incluído junto com o cadastro único dos municípios para que esses problemas (de fraude) não ocorressem”, lamentou Maia.

O presidente da Câmara reforçou ainda que o isolamento social é a melhor forma para se combater a pandemia de Covid-19 e que avalia a adoção de protocolos sanitários para o retorno dos trabalhos presenciais na Câmara, mas não informou quando as atividades serão retomadas.

Com Agência Câmara de Notícias

Leia mais:
Após registro de mil casos em 24 horas, SES afirma que aumento deve-se à ampliação da testagem em MG