O município de Alfenas, no Sul de Minas, deverá limpar todos os imóveis da cidade que contenham focos de reprodução do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, do zika a da chikungunya. A decisão da Justiça atende um pedido do Ministério Público de Minas Gerais que apontou, em Ação Civil Pública, a infestação fora de controle do mosquito.

Na ação, o MPMG cita dados divulgados pela imprensa local que indicam 1.247 casos de dengue notificados, com registro de inúmeras internações na rede hospitalar da cidade em 2015. Durante as investigações, foi apurado que o município tem adotado medidas de combate à doença, como a operação do popular “fumacê” e alguns mutirões para a coleta de materiais que possam acumular água parada.

“Todavia, o quadro atual de epidemia demonstra várias falhas no controle e no combate à disseminação da doença, entre elas a falta de limpeza nos terrenos baldios”, esclarece o promotor de Justiça de Alfenas Fernando Ribeiro Magalhães Cruz. Ele afirma que, devido às falhas verificadas, o surto evoluiu e se alastrou de forma descontrolada no início de 2015. “As medidas para conter a infestação não foram realizadas em tempo hábil”, acrescenta.

Para o MPMG, atitudes preventivas devem ser adotadas urgentemente para se evitar a repetição do quadro epidêmico que assolou a cidade no ano passado.

Leia mais

Vacina contra a dengue é vendida a preços de R$ 750 a R$ 915
Dengue recua em Belo Horizonte e número de óbitos permanece inalterado
Mortes por dengue em Minas sobem para 193, conforme Secretaria de Saúde