O calorão dos últimos dias e as chuvas que começam a atingir Belo Horizonte acendem o alerta para os casos de dengue. De acordo com especialistas, esse é o cenário ideal para que o vetor da doença, o Aedes aegypti, se reproduza. Dezembro marca o início de um novo ciclo do vírus.

Os números de novas notificações vêm caindo desde julho na cidade. Conforme o boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira (9) pela Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), foram confirmados apenas 25 casos em uma semana. 

Até o momento, desde janeiro, a capital registrou 4.507 pessoas com dengue, com uma morte. Há 1.337 pacientes aguardando o resultado de exames laboratoriais.

A região Leste é a que teve o maior número de notificações até o momento (901), seguida da Nordeste (788) e Venda Nova (636).

Outras doenças

Também transmitida pelo Aedes, a chikungunya fez 33 vítimas na cidade. Desses, 16 foram autóctones, seis importados e 11 em locais com origem indefinida. Outros dez casos estão sendo investigados. 

Ainda segunda a SMSA, em 2020, até agora, não houve confirmação da enfermidade. Todos os 52 casos suspeitos foram investigados e descartados para a doença.

Leia Mais:
Com mosquito sem vírus, BH quer reduzir drasticamente dengue e chikungunya nos próximos quatro anos
Nuvens no céu de BH amenizam um pouco o calor, mas temperaturas vão voltar a subir
Milhares de Aedes aegypti sem vírus da dengue e da febre amarela começam a ser soltos em BH