O horário de funcionamento do metrô de Belo Horizonte poderá ser estendido ainda neste ano. Um projeto de lei em tramitação na Câmara Municipal determina que o serviço seja encerrado à meia-noite, diariamente. Hoje, as composições operam das 5h15 às 23h.

O projeto nº 965, apresentado em fevereiro do ano passado, já passou por três comissões temáticas e agora aguarda apreciação em plenário. A expectativa do autor, vereador Joel Moreira Filho (PTC), é a de que não haja empecilhos para a aprovação da proposta, que atenderia, principalmente, a alunos que estudam à noite.

“Muita gente perde o metrô por apenas dez ou 15 minutos após o término das aulas. Como a aceitação (do projeto) é boa e não há inconvenientes, tenho muita convicção de que ele será aprovado em primeiro turno, nos próximos 90 dias”, diz.

Expectativa

Para quem depende do serviço, a ideia agrada de imediato. A servidora pública Camila Borges, 33 anos, defende a adoção da medida. “É preciso dar opções aos passageiros. Principalmente, nos finais de semana, quando há poucos ônibus rodando. E o metrô é muito mais rápido”, sugere.

O médico Fábio Carneiro Corrêa, 61, também aprova a proposta do PL. “Quanto mais, melhor. Aumentar o tempo de funcionamento seria bom para todos, é uma questão de adaptação às necessidades da população”.

Segundo Moreira Filho, a regional da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) foi procurada, na tentativa de negociar o acréscimo de uma hora sem necessidade de criação de nova lei. A alegação, no entanto, foi a de que a companhia não teria condições de atender à solicitação.

Em nota, a CBTU informou que “a empresa ainda não dispõe de estudos conclusivos que justifiquem a viabilidade dessa medida” e que a extensão no horário de funcionamento, “na atual conjuntura, oneraria sobremaneira a matriz energética e o custo operacional envolvidos no transporte urbano sobre trilhos na capital”.

Outra fator apontado pela companhia é a redução do tempo destinado às manutenções, o que poderia comprometer equipamentos mecânicos e oferecer riscos.

Cobrança

Diante de todos os embates relacionados ao metrô, o deputado federal Laudivio Carvalho solicitou a realização de uma audiência pública, em 6 de outubro, para discutir a situação. De acordo com o político, a proposta é levantar uma série de questionamentos referentes às deficiências do serviço na capital e na Grande BH.

“Por que o metrô de Belo Horizonte nunca sai do papel? Por que é tão limitado o atendimento à região metropolitana? Vamos tratar também das novas composições e de recursos”, antecipa.

1.300 passageiros é a capacidade média dos novos trens do metrô de bh; a última bateria de testes tem início hoje e se encerra no dia 13
 
Em São Paulo, o metrô opera das 4h40 à meia-noite (aos sábados, até 1h). No Rio de Janeiro, das 5h à meia-noite