Alguns dos animais que permanecem em casas de Itatiaiuçu e estão em área de risco no caso de rompimento da barragem Serra Azul, da ArcelorMittal, devem ser retirados destes locais ainda nesta segunda-feira (11). Conforme explicou o tenente-coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil estadual, desde a sexta-feira (8) eles estão sendo acompanhados, tratados e alimentados por equipes do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV). Espécies e quantidades, no entanto, não foram informadas. 

Ainda segundo Godinho não há previsão para retorno das famílias às suas casas. Responsáveis técnicos da empresa estiveram no local para novos testes e análises. No domingo (10) três famílias retornaram para suas casas no distrito de Pinheiros, no mesmo município. De acordo com a ArcelorMittal, elas foram autorizadas pela Defesa Civil e pela Polícia Militar (PM) após nova avaliação de riscos da barragem. Segundo o informe, os imóveis estariam fora da área de influência. 

No total, 166 desabrigados após alerta emitido na sexta-feira (8) estão em hoteis de Itaúna. Para que pudessem se dirigir aos locais de trabalho, ônibus e vans foram disponibilizadas. Cerca de 30 crianças também foram transportadas pela empresa para escolas e creches nas proximidades. 

Barão de Cocais

Em Barão de Cocais, três comunidades permanecem com cinco acessos bloqueados para moradores e também não há previsão de liberação das casas. Na sexta-feira (8) a população de Socorro, Tabuleiro e Piteiras precisou sair as pressas por riscos de rompimento da barragem Sul Superior, da Vale, localizada na Mina do Gongo Soco.

A estrutura passou por avaliações de técnicos da empresa, da Secretaria de Estado de Meio-Ambiente e Desenv. Sustentável (Semad) e da Agência Nacional de Mineração (ANM). A expectativa é de que um novo laudo seja emitido nos próximos dias, indicando se voltou para nível 1 de segurança, ou se permanece em nível 2. 

Assim como em Itatiaiuçu, os animais estão sendo tratados e alimentados. Um prazo para retirada dos mesmos da área de risco não foi informado. No total, 492 pessoas foram removidas. Destas, 284 estão em casas de parentes e outras 208 em hoteis da região. 

Leia mais:

Onyx: classificação de rompimento de barragens pode ser alterada

Indígenas temem barragem em mina da Vale no Pará

Minas tem 400 minas 'bombas-relógio' abandonadas ou desativadas