Os moradores das zonas de autossalvamento de Belo Vale e Santa Maria de Itabira, na região Central do Estado, ouviram uma música clássica em alto e bom som por cerca de uma hora na manhã desta terça-feira (7). A Vale, responsável por barragens dos dois municípios, realizou um teste com as sirenes de emergência entre 10h e 11h, para um possível caso de rompimento das estruturas. 

Em Belo Vale, existem 46 pessoas na zona de risco de autossalvamento, enquanto em Santa Maria de Itabira este número chega a 1.100 pessoas. O Hoje em Dia tentou contato com a Defesa Civil Estadual, porém, informações sobre o teste não foram divulgadas pelo órgão. Também foram procuradas as prefeituras das duas cidades, mas ninguém teria acompanhado os testes para passar mais informações. 

Entretanto, a reportagem teve acesso a um vídeo que mostra uma das sirenes localizada na zona rural, com um funcionário sobre a estrutura, enquanto uma música com uma flauta clássica toca. Um funcionário da Prefeitura de Belo Vale, que não quis se identificar, informou somente que, da cidade, não foi possível ouvir o sinal. 

Procurada pela reportagem, a Vale informou, por meio de uma nota que os testes técnicos do sistema de sirene das barragens Maré I e II, da Mina de Fábrica; e da barragem Santana, da Mina Cauê, foi realizado em parceria com a Defesa Civil e outros órgãos competentes. "O alerta sonoro pôde ser ouvido nas Zonas de Autossalvamento (ZAS) dessas estruturas, envolvendo áreas operacionais da empresa e comunidades dos municípios", precisou. 

Confira o vídeo:

Uso de música já era previsto

Ainda de acordo com a mineradora, a ação foi preventiva e teve como finalidade conferir a eficiência do sistema. "Os testes ocorreram conforme planejado e, durante a atividade, não houve alteração na rotina da população", disse a empresa. O aviso divulgado por ela sobre os testes que aconteceriam já previa que não seria usada a mensagem de emergência - que seria utilizada em uma situação real - e sim uma música, justamente para evitar o pânico dos moradores dessas regiões. 

"Importante destacar que esses testes são necessários para efetividade do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM). Ainda não há previsão de novos testes", concluiu a Vale. 

Leia mais:
Governo aciona Vale na Justiça após Copasa apontar situação crítica no abastecimento de água na RMBH
Após notificação da Justiça, Vale paralisa novamente as atividades na mina do Brucutu
Número de mortos em Brumadinho sobe para 236 e 34 pessoas estão desaparecidas