Em 10 anos, o percentual de estudantes que se autodeclaram pretos ou pardos dobrou na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Se em 2008, cerca de 26% dos estudantes eram pretos e pardos, hoje, quase a metade dos alunos (49,3%) está nesta categoria. 

As políticas de ações afirmativas foram implementadas na Universidade em 2009. Os dados foram compilados em um relatório sobre o perfil dos estudantes matriculados na última década, elaborado pelo Setor de Estatística da Pró-reitoria de Graduação (Progard). 

O relatório também mostra que houve um crescimento da entrada de renda familiar de um a dois salários mínimos. Se em 2014 esses estudantes correspondiam a 11,4% do total, em 2018 eles chegam a 18,2%. O estudo também indica que um terço dos alunos da UFMG tem renda familiar de dois a cinco salários mínimos, compondo, assim, a categoria socioeconômica mais frequente. 

Leia mais:
Escola sem Partido avança em comissão da Câmara
Pesquisas nas universidades federais reduzem barreiras para deficientes em Minas
Estudantes da UFMG cobram clareza na apuração de denúncias de fraudes no sistema de cotas