As aulas na Escola Estadual Orlando Tavares, no distrito de Ponto do Marambaia, em Caraí, no Vale do Jequitinhonha, foram suspensas em todos os turnos nesta quinta-feira (7). A instituição, que abriga estudantes do Ensino Fundamental ao Ensino Médio, foi palco de um atentado pela manhã. Um aluno de 17 anos pulou o muro da escola armado com uma garrucha, um facão e um simulacro de pistola e baleou dois colegas. O suspeito foi apreendido.

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE), a equipe da Superintendência Regional de Ensino (SRE) de Teófilo Otoni foi até a escola, localizada em uma zona rural próxima à BR-116, para dar todo o apoio e auxílio à direção da unidade escolar, à comunidade escolar e às famílias dos dois alunos feridos na ocorrência.

armas atentado caraí

O suspeito foi apreendido com uma garrucha, um simulacro de arma e um facão

O caso

O adolescente pulou o muro da Escola Estadual Orlando Tavares portando uma garrucha, um facão e um simulacro de arma de fogo. Os alunos estavam no pátio para a aula de educação física quando viram o colega armado. Houve correria e gritaria.

O suspeito, então, se dirigiu até uma sala de aula e, no momento em que a professora e um estudante tentavam fechar a porta, um tiro foi disparado. A bala atravessou a madeira da porta e atingiu o pescoço de um colega de 17 anos e o braço direito de um jovem de 16. À polícia, o suspeito contou que o disparo foi acidental.  

Os dois feridos foram encaminhados ao Hospital Nossa Senhora Mãe da Igreja, em Padre Paraíso. O jovem que foi atingido no pescoço passou por uma transfusão de sangue e foi transferido para um hospital de Teófilo Otoni, por meio de Unidade de Saúde Avançada (USA). O quadro dele é estável.  

A Polícia Militar chegou a entrevistar um amigo do suspeito para verificar se teria ajudado no crime, mas nada indicou que o adolescente teria sido cúmplice. Apenas investigações mais apuradas poderão dizer se o suspeito contou com ajuda de alguém. 

O caso foi encaminhado à Delegacia de Novo Cruzeiro. Segundo a Polícia Civil, a perícia compareceu à escola para fazer os primeiros levantamentos.

Leia mais:
Autor de ataque em escola disse que queria amedrontar meninas que não quiseram namorar com ele