Ponto de prática de esportes e atividades de lazer, a avenida José Cândido da Silveira, no bairro Cidade Nova, região Nordeste de Belo Horizonte, é frequentada por muitos por ter bastante sombra. Mas desde que as podas e supressões começaram, a preocupação de quem frequenta o local, seja no dia a dia ou aos fins de semana, é de que a área verde seja mantida. 

Os trabalhos no local, segundo a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), começaram no dia 8 de abril. Fitas brancas foram colocadas naquelas que serão podadas e fitas vermelhas passaram a marcar as árvores que seriam retiradas. Ao todo, são 321 árvores para podas, 37 para supressões e outras 75 para serem destocadas - quando há apenas um pedaço do tronco ou raízes no local. A previsão de término dos serviços é até o fim do mês.

Entre os moradores da região e frequentadores do Parque Linear da avenida, a opinião é unânime: é preciso cuidar melhor e preservar as espécies ali presentes. "Árvores são muito bem-vindas, não acho que cortá-las seja a melhor solução, mas sim cuidar e preservar. Corro aqui quatro vezes por semana justamente porque a sombra é muito boa", opina Jarbas Júnior, de 47 anos.

De acordo com a Sudecap, foram priorizadas as que estavam condenadas ou que poderiam causar danos e que já possuíam laudos indicando a supressão, com eminente risco de queda.

Moradores pedem cuidado e preservação de árvores da avenida José Cândido da Silveira

Manutenção

Moradora do bairro há um ano e meio, Erica Rodrigues, de 30, aproveita para vender artesanatos na José Cândido. Assentada justamente na sombra de uma árvore, ela conta que este é um dos pontos fortes da região, mas afirma que vê a ação da prefeitura com bons olhos. Segundo ela, antes as podas eram apenas pontuais. 

"Vi no dia que começaram a cortar e podar. Acho importante porque algumas estavam obstruindo a sinalização ou estavam muito perto da fiação. Então acredito que não fará tanta diferença na sombrinha e no bem estar de quem passeia e pratica esportes por aqui", diz. 

Para o casal Carine Soares e Fernando Toledo, que passeavam com dois filhos, um de 3 anos e outro de 4 meses, a situação das árvores causava preocupação há algum tempo.

"Notamos que com as chuvas frequentemente tem queda e é perigoso, porque pode machucar alguém. Então se estiverem fazendo a manutenção, cuidando e podando, acredito que cortar completamente não seja necessário", opina Fernando. O casal escolheu o bairro Cidade Nova, nas proximidades da avenida, justamente por conta da extensa área verde. 

Investimento

A Prefeitura de BH afirmou que vai investir aproximadamente R$ 15 milhões nos trabalhos de podas e supressões de árvores neste ano. O montante é R$ 4 milhões a mais do que o ano anterior.

De acordo com a PBH, vários são os motivos que podem provocar a queda de uma árvore, entre eles estão o desequilíbrio da copa, o enfraquecimento natural ocasionado pela idade do indivíduo arbóreo, abalos externos como acidentes e raios e também a presença de insetos como os besouros metálicos. Ventos acima de 60 quilômetros por hora, por exemplo, podem derrubar até árvores saudáveis.

O cidadão que acreditar estar próximo a uma árvore nessas condições pode solicitar avaliação pelo aplicativo PBH APP, pelo portal oficial, ou pelo telefone 156. O morador receberá um número de protocolo para acompanhamento da demanda.

As solicitações feitas pelos moradores são avaliadas por engenheiros agrônomo e florestal para que o atendimento possa ser realizado de forma adequada, mantendo os padrões de qualidade.

Replantio

A Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica informou, por meio de nota, que o dispõe de diversas mudas, que serão utilizadas no processo de replantio, após a definição dos locais apropriados. E que a ação deve ocorrer somente no período chuvoso, época mais apropriada para a ação. 

A Fundação ainda esclareceu que "em função das características deste parque, que se configura como um canteiro central com alto tráfego de veículos e pessoas, o replantio pode ocorrer em espaços próximos, aproveitando a presença de outros 15 parques na Regional Nordeste da cidade". (Leia a nota abaixo)

Nota da Fundação de Parques

"A Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica informa que foram feitas no Parque Linear José Cândido da Silveira 321 podas e apenas 37 supressões e 75 destocas. O serviço de destoca consiste na remoção dos tocos de raízes de arvores que já haviam sido suprimidas ou caíram naturalmente em outros momentos, promovendo segurança para os caminhantes. 
As supressões foram feitas atendendo a critérios específicos de segurança dos usuários da pista de caminhada e dos veículos da avenida. O planejamento do replantio já está em execução pela equipe técnica da Fundação. O Jardim Botânico, localizado na Zoobotânica, dispõe de diversas mudas, que serão utilizadas no processo após a definição dos locais apropriados para os plantios. Eles devem acontecer somente no período chuvoso, época mais apropriada para a ação. 
Em função das características deste parque, que se configura como um canteiro central com alto tráfego de veículos e pessoas, o replantio pode ocorrer em espaços próximos, aproveitando a presença de outros 15 parques na Regional Nordeste da cidade que, aliás, é a segunda regional em número de Parques na cidade, de modo a preservar a pista de caminhada e a aumentar a efetividade da iluminação pública no local, propiciando maior segurança para pedestres e veículos que fazem uso do espaço".

Leia mais:
PBH realiza cortes e podas em 433 árvores da avenida José Cândido da Silveira