Não demorou muito para o vereador Daniel Nepomuceno (PSB) voltar atrás em relação ao Projeto de Lei nº 1.500/2015, apresentado na última segunda (11) à Câmara de Vereadores de Belo Horizonte, e que tratava da criação de regras para ciclistas na capital.

O PL propunha a exigência de capacitação para ciclistas, semelhante à exigida pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

"Na verdade, o projeto foi mal escrito e acabou gerando dúbia interpretação, por isso será redigido novamente. A ideia, desde o início, era propor aos cidadãos que não têm carteira de motorista que fizessem gratuitamente um curso voluntariamente. A atividade, de 30 horas, seria ministrada por funcionários que já fazem parte do corpo da BHTrans", esclareceu Nepomuceno.

A nova proposta do vereador pretende ainda retirar do PL a emissão de um certificado que, esse sim, seria pago pelo usuário. "A existência da carteira se daria somente para dar credibilidade ao curso que teria, exclusivamente, caráter educativo", completa. As atividades, segundo ele, seriam ministradas durante os fins de semana.

No texto, o vereador justifica a necessidade de “equilibrar a relação no trânsito, dando conhecimento das regras de circulação a todos os envolvidos” e visando à segurança no trânsito, devido ao aumento de ciclovias e ciclistas na cidade.

Veja a declaração do vereador no Facebook:

 

Caros amigos ciclistas de Belo Horizonte, Em virtude da matéria veiculada hoje, 12 de maio, no portal do jornal Hoje...

Posted by Daniel Nepomuceno on Terça, 12 de maio de 2015


Jornada dupla

Nos últimos seis meses, Daniel Nepomuceno tem dividido o tempo entre a política e o futebol: é vereador de BH - eleito pela segunda vez consecutiva e ainda presidente do clube Atlético Mineiro.

À frente do time, ele conquistou o Campeonato Mineiro no início do mês mas, como representante do legislativo da capital mineira, entre janeiro e maio, apresentou somente cinco Projetos de Lei e propôs uma homenagem à Federação Mineira de Futebol (FMF). A última, aliás, acabou sendo cancelada na última semana após polêmica envolvendo o presidente da FMF, Castellar Modesto Guimarães Neto e a torcida do Cruzeiro.

"O número de PLs apresentadas não significa nada no parlamento. O trabalho de um vereador vai muito além de propor e votar em projetos. Você não tem ideia do sacrifício pessoal que preciso fazer para exercer os dois cargos", disse Nepomuceno.

Ainda segundo o vereador, a ausência dele na Câmara para acompanhar os jogos do clube e qualquer outra atividade que diz respeito à direção do Atlético, são descontadas em folhas de pagamento. "Quando não vou à Câmara não recebo por isso", garantiu Nepomuceno, por telefone, de Brasília, onde participa de audiência pública sobre o endividamento dos times com o Governo Federal. Na ocasião, Nepomuceno representa os clubes do Brasil.