O tradicional ponto de encontro de moradores e turista de Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, a Praça JK, é entregue a população nesta segunda-feira (26). A obra de revitalização do espaço foi realizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), inserido no PAC Cidades Históricas.

As ações de restauração do espaço começou em julho do ano passado, visando a melhoria da área com condições de acessibilidade, segurança e qualidade de vida, por meio da valorização do patrimônio cultural diamantinense.

Com recursos de cerca de R$ 787 mil do Governo Federal, via PAC Cidades Históricas, a obra de requalificação da Praça JK foi gerida pela Prefeitura Municipal e teve a parceria da Caixa Econômica Federal, que atuou como agente financeiro.

Foram realizadas ações de requalificação do paisagismo, inserção de mobiliário urbano, instalação de rampas de acessibilidade e alargamento dos passeios, além de higienização do Chafariz da Câmara, recuperação das balaustradas e repintura de dois bens tombados na praça, a Igreja de São Francisco de Assis e a Casa do Fórum.

Marco de Diamantina

Considerado marco na evolução urbana de Diamantina, a Praça Juscelino Kubitschek é o ponto de convergência de sete ruas, originadas ainda no século XVIII. Seu nome é uma homenagem ao filho mais ilustre da cidade, que também figura em uma estátua localizada na Praça e voltada para a rua em que o ex-presidente morou durante sua infância. Além do fluxo intenso e frequente de moradores e turistas, anualmente a Praça JK também é o cenário da entrega da Medalha JK, concedida pelo Governo Estadual.

No século XVIII, Diamantina chegou a ser o maior centro de extração de diamantes do mundo, o que refletiu na evolução da cidade e formação de seu espaço urbano, emoldurado pela Serra dos Cristais. Tombado pelo Iphan em 1938, seu centro histórico foi reconhecido pela Unesco como Patrimônio Mundial em 1999. Ainda hoje seu conjunto urbanístico e arquitetônico encontra-se bastante íntegro, com monumentos e marcos significativos da passagem do tempo – dos primeiros anos de ocupação até as obras de Oscar Niemeyer do século XX.

Diamantina é uma das oito cidades mineiras incluídas no PAC Cidades Históricas, com previsão de execução de treze obras e R$29,29 milhões em investimentos, sendo que a requalificação da Praça JK é a primeira delas a ser concluída.

Recursos

O PAC Cidades Históricas está presente em 44 cidades de 20 estados brasileiros, totalizando R$1,6 bilhão em investimentos em 424 ações. O Programa é uma linha exclusiva do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), criada em 2013 para atender os sítios históricos urbanos protegidos pelo Iphan, proporcionando a revitalização das cidades históricas, a restauração dos monumentos e a promoção do patrimônio cultural.