Após o roubo de 45 armas, o secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz, determinou a instalação de câmeras de monitoramento nas duas Centrais de Escoltas do Estado, que são localizadas em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, e em Ribeirão das Neves, na Grande BH e onde ocorreu o crime. Além disso, os equipamentos também serão colocados em todas as 144 unidades prisionais que comportam guarda de armas, de acordo com nota da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) enviada na tarde desta quarta-feira (26). 
 
Além das câmeras, os locais citados acima ainda irão receber outros equipamentos de proteção que, por questões de segurança, não foram divulgados. "Os procedimentos de segurança também estão sendo revistos. Todos os 15 novos presídios e penitenciárias que estão em fase de licitação e foram anunciadas pelo Governo nos últimos dias, contarão com as novas regras".
 
A compra de todos os equipamentos será de responsabilidade da diretoria de Logística da Subsecretaria de Administração Prisional (SUAPI). A previsão é que a instalação das primeiras câmeras ocorra em até três meses e a prioridade será dada às unidades de grande porte. 
 
Roubo
 
O roubo dos armamentos foi detectado por volta das 7 horas dessa segunda-feira (24). Durante a troca de turno da Central de Escoltas de Ribeirão das Neves, agentes penitenciários que chegaram ao local encontraram alguns colegas dormindo e outros passando mal. Ao fazerem uma verificação na sala de armas, eles detectaram que 45 armas, sendo 39 pistolas de calibre 40 e seis submetralhadoras, haviam sido levadas. Também foram subtraídos cerca de mil cartuchos de calibres diferentes.
 
Após o crime, os nove agentes que, supostamente, teriam sido dopados foram afastados de suas funções por 30 dias, podendo ser prorrogáveis por mais 30.