O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou nesta quinta-feira (13) que a Justiça determinou o afastamento imediato de seis agentes penitenciários de suas funções no Presídio de Ituiutaba, no Triângulo Mineiro.

Os servidores são investigados por terem submetido um preso a uma sessão de espancamento por cerca de 20 minutos, como forma de castigo pessoal, em janeiro deste ano. Segundo a denúncia do MP, isso aconteceu após uma sessão de agressões contra outros detentos.

Quatro dos investigados teriam formado um “corredor polonês”, que consiste em obrigar os presos a passar pelos agentes sendo vítimas de golpes, como murros, chutes, golpes de bastão e tapas. O último preso a passar pela sessão de violência teria sido algemado com as mãos para trás e coberto com uma coberta, para depois ser espancado.

Conforme a denúncia do MP, os agentes penitenciários apenas cessaram a tortura quando o preso, que recebera chutes simultâneos dos réus em diversas partes do corpo, passou a vomitar sangue.

Segundo a decisão, os agentes públicos ficarão afastados de suas funções até o final julgamento da ação, sem prejuízo da remuneração que recebem.

A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informa que foi notificada pelo Poder Judiciário e já está dando encaminhamento para o cumprimento imediato da decisão judicial.