As ruas inundadas pelo rio Doce que transbordou há três dias em Governador Valadares, no Leste do Estado, já estão sendo lavadas. O trabalho começou nesta sexta-feira (22), assim que o manancial começou a baixar, depois de atingir a cota de 3,23 metros. Moradores e prefeitura se uniram em um mutirão de limpeza. Por causa da lama, a prefeitura cobrou apoio da Samarco e recebeu reforço com caminhões-pipa.

O número de caminhões não foi divulgado, mas de acordo com a prefeitura, eles vão reforçar o trabalho feito pela Pavotec, empresa responsável pela limpeza urbana em Valadares e prefeitura. De acordo com o Executivo, as ruas não estão sendo limpas com a água bruta do rio como era feito em outras cheias, porque agora não se deve ter contato com a lama, alerta a administração municipal.

A água vem de um poço artesiano. "Os caminhões-pipa que fazem a limpeza da cidade são abastecidos por água de um poço artesiano aberto pelo SAAE", reforça nota divulgada pela autarquia no final da tarde. O trabalho deve prosseguir no final desta semana,  apesar das previsões de mais chuvas para a região. É que de acordo com a Defesa Civil da cidade, a tendência é que o rio continue baixando.

governador valadares suja de lama após chuva

 
Inundação

Depois de atingir na quinta-feira à noite os 3,23 metros, o nível do rio Doce começou a baixar ainda na madrugada e continuou caindo durante esta sexta-feira. Porém, ainda não voltou totalmente ao leito e a equipe da Defesa Civil continua monitorando e orientando a população para que não volte às suas casas enquanto o nível não descer abaixo do alerta amarelo, de 1,75m.

Muitos moradores deixaram suas casas e pelo menos 166 pessoas de 32 famílias continuam nos três abrigos organizados nas escolas Diocesano, Tancredo Neves e Gelo de Marco. No total, a Defesa Civil atendeu 48 ocorrências, entre queda de muros, deslizamento de barranco e mudanças.

Duas casas desabaram, uma no distrito de Baguari e outra no bairro Vera Cruz. Não houve feridos. A Defesa Civil alerta que a população em área de risco geológico deve ficar atenta porque ainda pode chover na cidade. A Estação de Tratamento de Água (ETA) do Vila Isa que havia sido paralisada depois que as bombas foram inundadas, já retomou a captação.