Primeiro Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sob o comando do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a edição deste ano manteve a mesma estrutura das provas anteriores, mas trouxe menos subjetividade nas questões de ciências humanas e poupou textos polêmicos. Essa é a análise que Marcos Raggazzi, diretor pedagógico executivo do Bernoulli, faz sobre a primeira etapa do teste que dá vagas no ensino superior. 

De acordo com o professor, apesar das diferenças e das similaridades, é possível dizer que o exame ficou em um nível "igual, ou um pouco mais difícil" do que o de 2018. "Em ciências humanas, por exemplo, a interpretação é um elemento muito significativo na elaboração da estrutura da prova e da resolução dos candidatos", lembrou Marcos.

Uma semana antes do último domingo de provas, o diretor dá algumas dicas para que o candidato se saia bem. "Controle o tempo, o importante é que não demore mais que 1 minuto por questão, para poder pensar se consegue fazê-la naquele momento, ou não", disse. "Também é preciso controlar o estado emocional, alimentar-se corretamente, se hidratar e fazer exercícios respiratórios", completou.

Confira a entrevista completa com o professor Marcos Raggazzi: