Assaltos dentro dos ônibus do transporte metropolitano poderão chegar à polícia em tempo real. É o que promete uma das funcionalidades do aplicativo ÓtimoApp, lançado nesta quinta-feira (4) para atender a passageiros do sistema que abrange 34 cidades da Grande BH. Com o “botão do pânico”, o crime é comunicado a uma central de operações, que aciona o socorro.

Para isso, o usuário deverá inserir na plataforma digital apenas o número da linha alvo dos criminosos, e os técnicos do setor responsável entram em contato com a PM, segundo os responsáveis pela iniciativa on-line. A localização da vítima será possível porque o app recebe a localização do celular de quem fez o relato.

O dispositivo de segurança faz parte do sistema que disponibiliza o horário de chegada dos ônibus metropolitanos e sugestões de rotas. O novo serviço é uma parceria da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) e do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram).

Conforme o Hoje em Dia adiantou na edição de 27 de junho, por meio da tecnologia também é possível fazer reclamações sobre o serviço prestado e a recarga dos bilhetes eletrônicos.

A inclusão do botão do pânico busca evitar assaltos dentro dos coletivos. “Porque, infelizmente, eles acontecem”, frisou Juliana Mota, gerente de Projetos do Consórcio Ótimo.

Que o diga Mariana Gonçalves, de 26 anos, moradora de Santa Luzia, na Grande BH. Diariamente, ela pega ônibus para estudar na capital. No ano passado, a linha que utiliza, entre a cidade da região metropolitana e a Estação São Gabriel, foi assaltada. Passageiros que estavam nos bancos da frente tiveram os celulares levados por dois bandidos.

“Foi um horror. Mesmo não tendo acontecido nada comigo, fiquei em pânico”, conta a universitária. A chegada do dispositivo de segurança é vista com bons olhos, mas ela faz ressalvas. “Dependendo da situação, a pessoa vai ficar com medo até de tirar o telefone para fora da bolsa e acionar o botão. Mas não deixa de ser uma nova tentativa de se combater o crime, pois quem anda de ônibus, anda com medo”.

100 roubos dentro de ônibus foram registrados de janeiro a março deste ano somente em BH, conforme dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp)

Monitoramento

O botão do pânico ainda tem caráter estatístico, já que aponta os locais onde há mais crimes do tipo. Os dados coletados irão possibilitar a adoção de medidas de combate.

A ideia é elaborar um painel de controle com informações para a sociedade, adiantou o secretário de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), Marco Aurélio de Barcelos. “Para que consigam ter um panorama do serviço e cobrar melhorias”.

Por enquanto, o botão do pânico só receberá relatos de assaltos. A expectativa, porém, é a de que num próximo passo a funcionalidade colete denúncias de assédio e acidentes. “O aplicativo está em constante evolução”, garantiu Juliana Mota. 

Procurada, a PM informou que só falaria sobre o aplicativo após ter acesso a ele. Sobre o combate aos assaltos, a corporação disse que iria se manifestar nesta sexta-feira (5).

Atendimento virtual

A solenidade de lançamento do ÓtimoApp também apresentou a assistente virtual “Sol”. Pelo chat do perfil do Cartão Ótimo no Facebook, ela poderá agendar atendimentos e fazer recargas dos bilhetes.

Leia mais:

Aplicativo mostrará a usuários o horário de chegada dos ônibus da Grande BH; veja vídeo