Criado para acolher, orientar e acompanhar vítimas de violência, o Centro Risoleta Neves de Atendimento à Mulher (Cerna) recebe cerca de 400 moradoras da Grande BH por mês. O espaço integra as ações realizadas pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac).

Ontem, a pasta apresentou um balanço dos trabalhos desenvolvidos. Segundo a administração estadual, os projetos visam ampliar a participação social e garantir a inclusão de populações historicamente discriminadas.

“Uma de nossas tarefas foi resgatar a importância dos conselhos para a sociedade civil e dentro do próprio governo. Outra preocupação foi regionalizar os colegiados, indo além da região metropolitana”, disse o secretário da Sedpac em exercício, Biel Rocha.

Durante a apresentação também foi informado que mais de 70 mil adolescentes mineiros foram beneficiados pelo programa ID Jovem, lançado em 2017. O projeto possibilita acesso aos benefícios de meia-entrada em eventos culturais e esportivos, além de vagas gratuitas no sistema de transporte interestadual.

A secretaria informou ter pago indenizações a dez mineiros torturados durante a ditadura militar. Cada vítima recebeu R$ 30 mil. De 2015 a 2018, foram pagas 29 indenizações, totalizando R$ 870 mil.

Outro projeto foi a mediação de conflitos. A Sedpac atuou junto a mais de 24 mil famílias. A ação auxilia as partes envolvidas na resolução de disputas fundiárias, questões envolvendo ocupações rurais e urbanas, dentre outros entraves.