O Senado argentino aprovou, nesta quarta-feira (30), a legalização do aborto até a 14ª semana de gestação. O tema era projeto de campanha do presidente Alberto Fernández. Agora, a Argentina torna-se o maior país da América Latina a permitir a interrupção da gestação.

A legalização do aborto já havia sido aprovada na Câmara dos Deputados no último dia 11 deste mês. Nesta quarta, foram 38 senadores a favor, 29 contrários e uma abstenção. A margem foi mais ampla que o previsto.

O presidente celebrou a decisão no Twitter. "O aborto seguro, legal e grátis é lei. Me comprometi durante as eleições. Hoje somos uma sociedade melhor que amplia direitos às mulheres e garante a saúde pública", declarou.

A vice-presidente do país e presidente do Senado, Cristina Kirchner, também se manifestou. "Se converte em lei e segue para o Poder Executivo".

Além da Argentina, a interrupção da gravidez é permitida no Uruguai, Cuba e Guiana, assim como na Cidade do México.