A Associação dos Moradores e Lojistas do Bairro de Lourdes (Amalou) solicitou uma reunião com a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) com o objetivo de discutir soluções para os problemas causados pela enchente. Ruas importantes, como São Paulo e Bárbara Heliodora, foram tomadas pela força das águas. Alguns locais ficaram completamente devastados.

De acordo com o presidente da associação, Jeferson Rios, duas propostas devem ser colocadas em pauta: uma linha de crédito especial, via bancos de desenvolvimento, para os atingidos e a isenção no Imposto sobre Propriedade Predial Territorial Urbano (IPTU) a quem teve danos. 

"Estamos no comando da Polícia Militar, conversando sobre segurança. Mas, queremos também nos reunir com Guarda Municipal, SLU (Superintendência de Limpeza Urbana), Defesa Civil e Gasmig, para saber como está a situação da tubulação na praça Marilia de Dirceu", afirmou Rios. O espaço foi interditado na manhã desta quarta-feira (29) por suspeita de vazamento de gás.
 
Ainda segundo ele, moradores e lojistas de Lourdes devem se reunir no fim da tarde de sexta-feira (29), no auditório do colégio Izabela Hendrix, para conversar sobre os estragos. "Somente após essa reunião que vamos ter noção do prejuízo total", afirmou. 

De acordo com a PBH, nesta manhã os agentes estão nas ruas contabilizando os estragos e o balanço vai ser divulgado somente à tarde.