Integrantes do Movimento Atingidos por Barragens (MAB) fecharam uma linha férrea, na cidade de Mário Campos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na manhã desta terça-feira (19). De acordo com Movimento, o protesto foi para reivindicar medidas de reparação para as vítimas do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em Brumadinho, no dia 25 de janeiro deste ano. Desde o acidente, 254 mortos foram identificados e 16 pessoas continuam desaparecidas. 

Nesta terça, o grupo pediu uma reunião com a diretoria da Vale. E ainda reivindicou pela continuidade do auxílio emergencial aos atingidos; pela contratação imediata das assessorias técnicas; pela presença da diretoria da empresa nas audiências sobre o auxílio emergencial e a contratação das assessorias técnicas; e pela continuidade das buscas pelos desaparecidos. 

Por meio de nota, a Vale informou que "não possui linha de trem que circule na cidade ou próximo à localidade de Mário Campos". A empresa ainda destacou que "repudia qualquer manifestação que viole direitos". A Vale comunicou também que "realiza encontros regulares com representantes legítimos dos atingidos pelo rompimento da barragem B1, em Brumadinho, visando uma reparação célere e respeitosa".

Leia mais:
Obra para captação de água no rio Paraopeba é paralisada por decisão judicial
Início tardio de obras no rio Paraopeba e poucas chuvas podem comprometer abastecimento na Grande BH
Bombeiros identificam mais uma vítima em Brumadinho; número de mortos chega a 253
Vale é condenada a pagar R$ 8 milhões a parentes de família que morreu em Brumadinho