O homem que matou a ex-namorada e outras três pessoas em uma igreja evangélica em Paracatu, no Noroeste de Minas, na última terça-feira (21), teve alta neste sábado (25) e foi levado para o presídio da cidade. Rudson Aragão Guimarães, de 39 anos, é militar reformado das Forças Armadas. Ele foi atingido por um tiro na data do atentado e tentou se matar dias depois, com um bisturi, no hospital. 

O crime chocou o Estado. Uma das hipóteses trabalhadas pela Polícia Civil de Minas Gerais é a de que ele teria cometido os ataques por ter sido destituído de um cargo de liderança da igreja. 

“A motivação é o ponto crucial a ser esclarecido e diligências vão ser realizadas. A linha que trabalhamos é que a motivação seria um desentendimento após uma destituição de cargo da igreja e afastamento de pessoas, que tiveram medo dele”, disse a delegada Thays Regina Silva, durante coletiva realizada na quarta-feira (22), em Paracatu. “Mas ao longo da investigação, pode haver uma reviravolta”, acrescentou.

O pastor da igreja seria o principal alvo do atirador. No entanto, ele conseguiu escapar. 

Histórico
À polícia, a mãe do atirador disse que o filho parecia confuso há alguns dias. Foi na casa dela que Rudson matou a ex-namorada, com golpes de canivete. De lá, ele seguiu para a igreja, onde matou um senhor com um tiro na cabeça e uma mulher. A polícia ouviu os disparos e foi até o local. 
Na igreja, o atirador fez uma mulher refém e, em meio à negociação, atirou na cabeça dela. Em seguida, um policial atirou na clavícula de Rudson, que foi encaminhado ao hospital.

Leia mais:
Polícia abre inquérito para saber como atirador de Paracatu conseguiu lâmina para tentar se matar
Atirador de Paracatu chegou a se despedir de sobrinho
PC acredita em vingança contra pastor, mas aguarda melhora de atirador para esclarecer massacre
Saiba quem são as vítimas do atirador da igreja de Paracatu
Autor de chacina em igreja de Paracatu tenta se matar no hospital usando bisturi