Diferentemente do ato contrário ao regime militar, que reuniu centenas de pessoas na Praça da Liberdade, a programação que busca comemorar a tomada do poder em 1964 no Brasil, teve uma baixa participação em Belo Horizonte, na manhã deste domingo (31). Um ato público no viaduto Dona Helena Greco (antigo Elevado Castelo Branco) atraiu pouquíssimas pessoas. 

A reportagem esteve no elevado cerca de 1h30 após o horário agendado e não encontrou manifestantes. Relatos dão conta de que apenas 20 pessoas estavam reunidas no local às 10h. Curiosamente, na peça gráfica que chama para o ato está a informação de que o encontro seria realizado no Elevado Castelo Branco, nome alterado para Dona Helena Greco em 2014, após aprovação na Câmara. 

Humberto de Alencar Castelo Branco foi o primeiro presidente do governo militar brasileiro e um dos articuladores da tomada de poder 1964. O elevado foi renomeado para Dona Helena Greco, primeira vereadora de Belo Horizonte e militante na luta contra a ditadura. 

Confusão

Nos útlimos dias, circulou pelas redes sociais um folder que incluía a inauguração do bar O Destro na agenda de atividades comemorativas do início do regime militar. A informação foi desmentida pelos proprietários do estabelecimento. 

"A abertura oficial do bar O Destro, no dia 30 de março (sábado), às 19 horas, não fez parte de nenhuma agenda comemorativa de 1964 como divulgado em folder pelas redes sociais. A programação do folder, inclusive, dizia que a referida "comemoração" no bar seria às 13h30, e a abertura do bar no dia 30 de março, ocorreu às 19 horas, não tendo qualquer relação com o material que circulou nas redes sociais. O Destro se assume como um bar de direita por acreditar que em um país democrático todos podem manifestar livremente seus pensamentos e suas ideias sobre quaisquer temas, mas sempre com educação e respeito ao próximo. Por ser um bar, aqui priorizam-se, principalmente, bom humor, criatividade, sabor e cordialidade. O Destro salienta que, antes de tudo, defende a liberdade de pensamento e de expressão", informou o bar, em nota.

 

 

Leia mais:
Centenas de manifestantes 'descomemoram' o regime militar na Praça da Liberdade