A chegada das férias escolares tem complicado a vida de quem planejava fazer viagem internacional nos meses de junho e julho. A Polícia Federal (PF) está atrasando a entrega dos passaportes desde 20 de abril e a normalização, prevista para este mês, ainda não tem data para ocorrer.

Quando anunciou o problema, no início de maio, a PF havia informado que não tinha matéria-prima utilizada na capa do documento. O pedido foi feito pela Casa da Moeda do Brasil, responsável pela fabricação dos passaportes. Sem o material, a entrega do documento, que acontecia em seis dias úteis, passou a ser de 30 dias corridos. 

O atraso quase custou R$ 1 mil em cancelamentos e remarcações de passagens da agente de turismo Simone Corte. Ela planejava uma viagem para Chicago (EUA) desde fevereiro. Porém, mesmo com o visto americano em dia, precisava renovar o passaporte. O pedido foi feito em 28 de abril. O documento só ficou pronto em 2 de junho, quatro dias antes do embarque. 

“As pessoas que viajariam comigo tinham os documentos em dia. Se o meu não ficasse pronto, só eu não poderia ir. Fiquei com muito medo, porque teria que trocar as passagens, cancelar diárias em hotéis”, conta. Com a experiência, Simone tem orientado os clientes que procuram a agência de intercâmbio onde trabalha a planejar a viagem e fazer o pedido com bastante antecedência. “Os estudantes não têm apresentado problema porque começam a verificar esse ponto com muito tempo antes”.

 

30 dias corridos é o prazo atual dado pela Polícia Federal para a entrega do documento, sendo que o normal são seis dias úteis

Prazo segue o mesmo

Por meio da assessoria, a PF informou que o prazo de 30 dias para entregar o passaporte estava mantido. O órgão disse que o atendimento segue normalizado.

Já a Casa da Moeda culpou o “aumento desproporcional de demanda” entre o segundo semestre de 2015 e o primeiro semestre de 2016 pela falta da matéria-prima da capa. O novo modelo de passaporte, implantado em julho do ano passado, contém novos mecanismos de segurança que também podem ter contribuído para o problema.

Comoção

No Rio de Janeiro, o atraso na entrega do documento gerou comoção. Classificada para a Olimpíada Internacional de Neurociência, a estudante Lorrayne Isidoro deve viajar para a Dinamarca hoje após ter tido dificuldade para pegar o documento na semana passada. Somente ontem a PF anunciou que o passaporte seria emitido. 

A passagem foi comprada há um mês, mas o problema ameaçava abreviar o sonho da estudante em representar o Brasil na competição.