As aulas começaram nesta quinta-feira (11) para 3.654 escolas estaduais de Minas Gerais. São mais de 2 milhões de jovens e crianças matriculados no Ensino Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos, além de outras modalidades da rede estadual.

O ano letivo foi iniciado no dia 1º de fevereiro, mas na grade as escolas trabalharam mais ações de planejamento pedagógico e organização da escola. Para cerca de 40% dos diretores, o trabalho é um desafio a mais, já que eles são novatos na direção escolar, nomeados após o processo de escolha ocorrido em dezembro do ano passado que contou com ampla participação da comunidade.

Cerca de R$ 60 milhões serão investidos em projetos com temáticas diversas como cultura, sustentabilidade, arte e disciplina, protagonismo juvenil, leitura e escrita, resgate de valores e da ética, cultura da paz.

No total, serão desenvolvidos 3.160 projetos em 2.945 escolas, abrangendo estudantes dos ensinos Fundamental e Médio. Os recursos já foram depositados diretamente nas caixas escolares.

Para os finais de semanas, os alunos devem receber oficinas voltadas às comunidades. Para este tipo de interação, o projeto Escola Aberta, receber R$ 14 milhões, que serão distribuídos para 1.632 escolas mineiras. As escolas do projeto estão situadas em territórios de vulnerabilidade social, em que a oferta de lazer e cultura é escassa. No ano passado, foram mais de 125 mil estudantes atendidos e a meta em 2016 é atender 200 mil.

Para o programa Escolas Sustentáveis serão destinados R$ 100 milhões para pequenas obras em todas as unidades estaduais. Já os projetos específicos elaborados por cerca de 700 escolas, na área da sustentabilidade, vão receber R$ 206 milhões.

Ensino Médio

O grande desafio para 2016 na Educação mineira continua sendo oferecer educação de qualidade aos jovens, em especial aqueles de 15 a 17 anos. No ano passado, o movimento Virada Educação Minas Gerais reuniu cerca de 4.500 alunos e professores de 17 territórios de desenvolvimento do Estado para dizer o que eles queriam da escola. Aliado a isso, foi realizado o chamado aos jovens para retornarem aos estudos, o que trouxe 12 mil jovens de volta à escola.

Para atender a esta demanda, a Secretaria Estadual de Educação (SEE) reformulou o ensino médio noturno na expectativa de atender o jovem trabalhador em suas necessidades. Entre as ações que já serão implantadas estão a opção do cumprimento da carga horária em atividades não-presenciais interdisciplinares e aos finais de semana, utilizando sempre recursos pedagógicos alinhados com a realidade do aluno e a vocação da cidade ou região em que ele mora. Será introduzida uma nova disciplina com a denominação “Diversidade, Inclusão e Mundo do Trabalho (DIM)”, que vai interagir com as quatro áreas de conhecimento: Matemática, Linguagens e Códigos e Ciências da Natureza e Humanas.