Importante fonte de buscas por informação, a internet tem transformado a rotina nos consultórios médicos. É cada vez mais comum, conforme os profissionais da saúde, o paciente buscar atendimento já com um “autodiagnóstico” da suposta doença, feito a partir de pesquisas na web, baseadas nos sintomas que apresenta. A conduta, no entanto, gera perda de tempo, custos e atraso no tratamento e até na cura do real problema.

É o que alerta o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), Bruno Naves. “Porque viu em um site, o enfermo se autoexamina e solicita exames desnecessários”, diz. O especialista, que irá ministrar palestra sobre o tema na feira Expo-Hospital Brasil, em Belo Horizonte, afirma que o uso da ferramenta demanda cuidado, e as descobertas a partir das buscas on-line não devem ser tomadas como verdades de forma indiscriminada.

Confiança 

Com um diagnóstico mentalmente construído, o doente chega até a questionar o conhecimento técnico de quem realmente entende do assunto. Segundo Naves, essa postura fragiliza a relação entre médico e paciente, que deve ser embasada na confiança.

“Assim como o profissional deve desenvolver empatia, tirar dúvidas e debater as possibilidades, a pessoa precisa estar disposta”, acrescenta o secretário do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG), Fábio Guerra. Segundo ele, é essencial que o especialista da saúde saiba ouvir, entender o histórico e a fragilidade de quem procura atendimento. “Para, então, promover uma boa experiência a ambas as partes”. 

Slow medicine

Diálogo e respeito, inclusive, são as premissas do movimento “slow medicine”, que preconiza o atendimento médico sem pressa, ao invés de conversas rápidas com poucas explicações e muitas receitas de medicamentos e exames.

Um dos defensores da prática, o geriatra José Carlos Aquino de Campos pontua que o consultório também é lugar para estreitar laços e que a impessoalidade interfere no sucesso do tratamento. “Os hábitos e as condições sociais não são quadros clínicos e ditam sobre a adesão à prescrição”.

Para ele, deve haver ponderação tanto no uso da internet por pacientes como na utilização de tecnologias por profissionais da saúde. “O essencial para o cuidado é a relação humana”, afirma.

Feira

Tecnologia, novidades no tratamento contra a obesidade e humanização da assistência também serão temas abordados durante a feira Expo-Hospital Brasil. O evento começa na próxima quarta-feira (11) e vai até sexta (13). 

A programação ainda contempla a realização da I Jornada Mineira de Enfermagem em Centro Cirúrgico e Centro de Material e Esterilização. 
Profissionais da área irão debater e compartilhar informações relacionadas a esses procedimentos. O objetivo é promover melhoria na experiência do paciente cirúrgico.

Mais informações:
Feira Expo-Hospital Brasil
Data: 11 a 13 de setembro
Local: Serraria Souza Pinto (Avenida Assis Chateaubriand, 809 – Centro)
Site: expohospitalbrasil.com.br

Leia Mais:

Técnicas menos invasivas são opções para a obesidade, mas mudança de hábitos é essencial

Parar de tomar remédio antes da hora expõe paciente a riscos, inclusive de morte

Tecnologia na área da saúde agiliza e humaniza os atendimentos