Cerca de 80 pássaros silvestres vítimas do tráfico de animais em Minas Gerais foram libertados para voar na natureza em uma fazenda em Brumadinho, região Metropolitana de Belo Horizonte. A ação, uma parceria entre o Ibama e a Associação Mineira do Meio Ambiente (Amda), faz parte do projeto Área de Soltura de Aves Silvestres (Asas) e celebrou a Semana Mundial do Meio Ambiente.

Os pássaros foram apreendidos pelo Ibama e repassados à Amda para  um processo de adaptação. Entre as espécies libertadas estão canários-da-terra, periquito rei, maricatacas, periquitos, sabias e coleirinhos. 

Além de denuncias anônimas, a Polícia Militar de Meio Ambiente de Minas Gerais também monitora as redes sociais em busca de animais em cativeiros irregulares. A pena para o tráfico de animais silvestres, segundo a Lei de Crimes Ambientais, varia entre seis meses e um  ano e multa. O artigo 29 diz que é crime matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida.

Segundo a Organização Não Governamental (ONG) WWF-Brasil, há pesquisas que apontam que o comércio ilegal de animais movimenta cerca de 10 bilhões de dólares por ano em todo o mundo. Só o tráfico de drogas e armas é maior. As denúncias sobre o tráfico e guarda ilegal de animais silvestres podem ser feita pelo telefone 155.