"Ninguém aqui está levando a sério a pandemia". O desabafo é de uma moradora do bairro Alto Vera Cruz, na região Leste de Belo Horizonte. Com três mortes registradas, a comunidade lidera o número de óbitos por Covid-19 na capital ao lado do bairro Pompeia, na mesma região. 

Para a moradora, o desrespeito às medidas de isolamento acontece todos os dias. Equipamentos de proteção viraram artigo de luxo, segundo a moradora. "O povo está como se estivesse de férias. Ninguém anda de máscara, é festa de segunda a segunda. Também tem gente jogando bola e fazendo outros exercícios físicos", denunciou.

Quatro pessoas residem na casa da mulher - dois filhos e o marido, que é autônomo. Ela teme a propagação do coronavírus em sua casa. "Eu tenho muito medo. Ninguém está vendo a gravidade". 

Um motorista de aplicativo de Belo Horizonte, que preferiu não se identificar, disse que o Alto Vera Cruz "parece outro mundo", com tanta gente desrespeitando as medidas de isolamento. Segundo o condutor, o desrespeito é ainda mais visível na rua Desembargador Bráulio, via com muitos comércios. 

A denúncia também foi feita por uma médica, moradora do Saudade, bairro vizinho ao Vera Cruz. Ela disse que as pessoas estão entrando nos supermercados ou lojas da região sem equipamento de proteção. "A situação é muito séria. Muitas gente na rua sem máscara", destacou. 

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) informou que a Guarda Municipal (GM) faz o monitoramento do comércio da cidade e orienta a população com abordagens nas ruas para garantir o cumprimento das regras. A corporação trabalha com 2.064 agentes, divididos em turnos e em pontos estratégicos da capital.

Ainda segundo a PBH, as abordagens acontecem durante patrulhas preventivas rotineiras ou com base em denúncias recebidas pelo Portal da Prefeitura ou pelo telefone 156.