O Carnaval deste ano no Padre Eustáquio será inédito. Dois blocos criados ano passado vão levar a religiosidade para as ruas do bairro. O Alfredin, nascido da união de mestres e alunos da escola de música da Uemg, irá abrir a festa mais popular do Brasil ao som da Ave-Maria. Já a bateria do Hélice, um dos braços da evangélica Power Church, vai desfilar ao som de marchinhas que disseminam as palavras de Jesus.

A folia começa com o Alfredin, o único bloco carnavalesco de chorinho que se tem notícia em Minas. Na sexta-feira de Carnaval, assim que o alto-falante da igreja Padre Eustáquio começar a tocar a Ave-Maria, às 17h55, os sopristas do grupo irão acompanhar a canção com flauta e saxofone. 

"É como se a igreja estivesse fazendo o solo da Ave-Maria. Os músicos irão acompanhá-lo", disse Lucas Carvalhais, maestro do Alfredin, que em este nome em homenagem ao maior compositor de chorinho, Alfredo da Rocha Viana Filho (1897/1973), o Pixinguinha. A concentração do Alfredin é na esquina da Padre Eustáquio com a Castigliano. 

Já o Hélice irá desfilar dois dias: 23 e 24 de fevereiro. A concentração será em frente ao número 824 da Coronel José Benjamim, às 13h. 

O grupo terá cerca de 20 integrantes na bateria. No repertório, marchinhas, musicas populares e religiosas. “Vamos, claro, propagar o nome de Jesus. O objetivo é curtir o carnaval de maneira saudável, levando uma mensagem de amor, esperança e fé, além de conscientizar as pessoas, sobre drogas e outros assuntos de saúde pública”,  disse o bispo Carlos Damasceno.