A Maternidade Odete Valadares (MOV), em Belo Horizonte, pede ajuda para manter os estoques de leite humano abastecidos. O apelo foi feito devido às dificuldades encontradas para receber doações durante o período de pandemia da Covid-19. A unidade precisa aumentar em cerca de 32% a captação de volume de leite para atender bebês.

Já no início da pandemia, a maternidade readequou os procedimentos de cadastro de novas doadoras e de coleta domiciliar para garantir a segurança tanto dos  trabalhadores quanto das doadoras. A unidade promoveu campanhas de estímulo à doação e conseguiu passar o ano de 2020 com bons estoques para continuar atendendo tanto os bebês da própria maternidade quanto os de instituições parceiras na capital e no interior. 

No entanto, em 2021, o cenário se modificou e, em fevereiro, o BLH captou 168 litros de leite humano. Em março, até o dia 18, a captação tinha sido de apenas 93 litros de leite, o que é insuficiente para atender toda a demanda de, em média, 130 bebês.

“Na própria triagem, já perguntamos se a doadora ou alguém da família está com sintomas gripais. Além disso, readequamos o procedimento de coleta. As orientações são dadas por telefone, os exames da doadora são recebidos por e-mail e, se estiver tudo ok, ela recebe o kit para coleta (touca, máscara e vidro esterilizado) na porta de casa. A equipe do banco de leite também não adentra a casa da doadora para buscar o leite”, explica Maria Hercília Barbosa, coordenadora do Banco de Leite.

Doação

Toda mulher saudável que esteja com excedente de leite e possua exames de pré-natal negativos pode ser doadora. É só entrar em contato pelo números (31) 3337-5678 ou 3298-6008 e fazer o cadastro. Quem já contraiu a Covid-19 e já tenha se recuperado, passado o período de isolamento de 15 dias, também pode doar. As vacinadas contra a doença também podem ser doadoras de leite.

No BLH, o leite materno passará por processamento e controle microbiológico, com todo o rigor necessário para que o alimento saia com qualidade certificada aos bebês. “Pedimos que as mães continuem doando seu excedente de leite, continuem nos ajudando nessa causa, que é de toda a sociedade. Quem souber de alguma mãe que está com excedente de leite, indique um banco de leite e ajude a salvar vidas”, ressalta Maria Hercília.