Três suspeitos de terem arrombado a casa de um policial militar colocaram uma faixa com um pedido de desculpa e devolveram os bens furtados. O furto ocorreu nesse domingo (5), no bairro Santa Inês, na região Leste de Belo Horizonte, e já nessa segunda-feira (6) os bandidos resolveram fazer a retratação.
 
O sargento Romualdo Rodrigo da Silva contou que estava a trabalho quando os criminosos invadiriam a sua residência. Um vizinho testemunhou a ação e ligou para o sargento. Imediatamente o policial se dirigiu à casa, mas, quando chegou, os homens já haviam fugido. Ele então analisou as imagens das câmeras de segurança do local e conseguiu identificar a placa do veículo usado na fuga.
 
“O carro estava em nome de outra pessoa, mas ela informou o endereço para quem tinha vendido o veículo. O suspeito do furto não estava em casa, mas conversei com a mãe dele. Ela, então, me colocou para falar com filho no telefone, mas o suspeito negou ter envolvimento no furto. Mesmo assim deixei claro que iria registrar um boletim de ocorrência para o caso ser investigado”, contou Silva. De acordo com o sargento, durante a conversa com o suspeito, o mesmo caiu em contradição por diversas vezes e acabou assumindo que não iria se apresentar à polícia por medo.
 
“No mesmo dia do furto, fui abordado pelo advogado dos três rapazes. Ele disse que os seus clientes iriam devolver os meus bens e fazer uma retratação em público”, disse. Nessa segunda-feira, os bens furtados, entre eles uma televisão, pelo trio foram colocados na porta da casa da vizinha do sargento. “No mesmo dia, à tarde, fui surpreendido com várias mensagens no WhatsApp com fotos da faixa, colocada próximo à minha casa, com a retratação”.
 
Para Silva, o fato dos bandidos terem, ao que parece, se arrependido do que fizeram, não muda o que houve. “Quero que seja dado prosseguimento ao inquérito e que eles paguem pelo crime. Não faço isso porque sou policial ou por vaidade, mas, sim, porque a Justiça tem que ser cumprida. Quero mostrar aos meus filhos que eles podem acreditar na polícia e na Justiça”, afirmou o sargento.
 
O policial informou ainda que os outros dois suspeitos também foram identificados e que todos  já tinham passagens pela polícia. Nenhum deles foi preso até o momento.