"Audaciosos". Assim foram classificados os bandidos que tentaram colocar um celular e seis chips dentro de um presídio de Montes Claros, no Norte de Minas. Na tentativa de enganar os agentes penitenciários, os criminosos colocaram os materiais ilícitos dentro de um pombo.

A ave foi morta, teve os produtos inseridos dentro dela e, depois, arremessada no Presídio Alvorada. O caso aconteceu na madrugada desta quarta-feira (18). A artimanha só não deu certo porque os agentes desconfiaram ao verem o pombo caído na tela de proteção que cobre o pátio de banho de sol, já que a ave não tem hábitos noturnos.

Ao abrirem o animal, os agentes acharam o telefone e os chips. A ocorrência foi confirmada pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), que informou que os plantonistas encontraram a ave morta e com uma perfuração. "O peso do animal também chamou a atenção da equipe D, que trabalhou na ocorrência. Ao abrirem o animal, acharam os ilícitos", explicou a secretaria, por meio de nota.

O diretor-geral do Departamento Penitenciário, Rodrigo Machado, destacou a audácia dos criminosos e também a ação dos agentes. "Os nossos agentes estão mais atentos com cada detalhe nas unidades prisionais. Neste caso, o olhar cuidadoso da equipe para perceber que o pombo não é uma ave de hábito noturno e notar a presença do animal de madrugada na tela foi o que permitiu a apreensão dos ilícitos. Trabalhamos diariamente para coibir a entrada desses objetos nas nossas unidades", declarou.

Um inquérito foi instaurado, mas, até o momento, não foram identificados os autores do arremesso da ave com o material ilícito. A unidade segue a rotina sem alterações.