Arte Barão de Cocais

 

Diante do risco iminente do rompimento de um talude que pode levar ao colapso da barragem da mina Gongo Soco, da Vale, a Defesa Civil de Minas Gerais anunciou que fará um novo simulado com a população de Barão de Cocais, na região Central do Estado. O treinamento está programado para o próximo sábado (18), às 15h, e acontecerá nos mesmos moldes do ocorrido no dia 25 de março deste ano.

No primeiro simulado, cerca de 3.600 moradores da área de risco participaram da ação, o que corresponde a cerca de 60% das mais de 6 mil pessoas que poderiam ser atingidas em caso de rompimento da barragem.

"Estamos nos deslocando nesta madrugada (sexta-feira, 17) para a cidade com uma equipe maior para preparar este simulado. O objetivo é dar a oportunidade para aqueles moradores que não participaram. Peço a você, morador, que participe desse treinamento para que você conheça a rota de fuga, o seu ponto de encontro. Sei que isso traz um incômodo para a população, que já está sofrendo tanto, mas é uma medida de proteção que pode salvar vidas", explicou o tenente-coronel Flávio Godinho, porta-voz da Defesa Civil estadual.

 

 

O problema

Godinho explicou ainda o que é o talude que pode desabar e causar o rompimento da barragem. "A mina está atrás da barragem, a cerca de 1,5 km. É uma estrutura da parede da mina que apresentou uma movimentação anormal, de cerca de 3 a 4 cm por dia. A própria Vale fez uma suposição dentro do deslocamento desse talude, de que ele pode cair entre os dias 19 e 25 (de maio)", lembra. 

A queda dessa estrutura pode não causar nada, uma vez que ela cairá dentro de uma cava que é muito profunda. "Ele (o talude) pode simplesmente se integrar ao ambiente, mas o que preocupa é que não tem como precisar a quantidade desse carreamento e nem a velocidade disso. Mas ele pode causar um abalo sísmico que pode ser um gatilho para romper a barragem. Nós trabalhamos com o pior cenário, para termos as condições de salvar todos", completa o tenente-coronel.

Ele aproveitou ainda para fazer um apelo aos moradores da Zona Secundária de Salvamento (ZSS). "A gente sabe que é difícil pedir tranquilidade em um momento desse, mas pedimos que as pessoas larguem seus bens para trás, não utilizem veículos, pois um acidente pode atrapalhar a salvar vidas. As pessoas têm que sair caminhando e se direcionarem para o ponto de encontro combinado", pediu.

A mineradora

Por meio de nota, a Vale informou que não há elementos técnicos até o momento para se afirmar que o eventual escorregamento do talude Norte da Cava da Mina Gongo Soco desencadeará gatilho para a ruptura da Barragem Sul Superior.

"O nível de alerta da Barragem Sul Superior foi elevado para 2 no dia 8 de fevereiro. Desde então, a Vale vem mantendo interlocução com as comunidades, prefeituras, defesas civis, empresas e demais órgãos competentes da região", afirmou que a empresa, acrescentando que cava e a barragem são monitoradas 24 horas por dia.

Leia o texto divulgado pela empresa na íntegra:

"Assim que identificou movimentação no talude Norte, na cava da mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), paralisada desde 2016, a Vale informou imediatamente as autoridades competentes e vem tomando uma série de medidas necessárias para informar a população sobre a situação na cava e na barragem Sul Superior, que fica aproximadamente a 1,5 km de distância do talude.

Cabe ressaltar que não há elementos técnicos até o momento para se afirmar que o eventual escorregamento do talude Norte da Cava da Mina Gongo Soco desencadeará gatilho para a ruptura da Barragem Sul Superior.  Mesmo assim, a Vale está reforçando o nível de alerta e prontidão para o caso extremo de rompimento.

Adicionalmente, seguindo recomendação do Ministério Público de Minas Gerais, a Vale intensificará a veiculação de informações em rádios da região e por meio de panfletagem. Além disso, um novo simulado de evacuação será realizado neste sábado, dia 18 de maio, às 15h para reforço de treinamento da população de Barão de Cocais. As equipes da Vale vão apoiar a realização do simulado, que será conduzido pela Defesa Civil.

A Vale utilizou, ainda, meios de comunicação de massa para divulgar a situação na mina Gongo Soco. Foram enviadas notas para a imprensa nacional e regional, publicadas informações em redes sociais da empresa (incluindo postagens patrocinadas para aumentar a visibilidade das informações nas regiões possivelmente afetadas), além de informes para grupos de WhatsApps de comunidades das ZAS e das ZSS.

O nível de alerta da Barragem Sul Superior foi elevado para 2 no dia 8 de fevereiro.  Desde então, a Vale vem mantendo interlocução com as comunidades, prefeituras, defesas civis, empresas e demais órgãos competentes da região. A empresa realizou simulados de emergência com moradores da Zona de Segurança Secundária (ZSS) dos municípios de Barão de Cocais (25/3), Santa Bárbara (29/3) e São Gonçalo do Rio Abaixo (3/4). Foram instalados sete pontos de encontro em Barão de Cocais com funcionamento 24 horas por dia.

A Vale reitera o seu compromisso com os moradores da região e os manterá informados sobre as próximas ações e os acontecimentos que envolvem a sua segurança.  A cava e a barragem são monitoradas 24h por dia.

Ações já realizadas

A barragem Sul Superior está em nível 3 desde 22 de março.  Em 8 de fevereiro, cerca de 400 pessoas da Zona de Autossalvamento (ZAS) da barragem - comunidades de Piteiras, Socorro, Tabuleiro e Vila do Gongo - haviam sido removidas preventivamente e foram acolhidas em moradias provisórias alugadas pela Vale, hotéis, pousadas da região e casa de familiares, respeitando a vontade de cada um"

Leia mais:
Ruptura de talude da barragem em Barão de Cocais pode acontecer a partir de domingo
Por causa de risco em mina em Barão de Cocais, Vale altera circulação do trem de passageiros
Estrutura da mina Gongo Soco, em Barão de Cocais, tem movimentação de quatro centímetros