Um bebê de 5 meses ficou cerca de 15 minutos trancado dentro de um veículo em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), na manhã de quarta-feira (26). O corpo de Bombeiros chegou a relatar o caso como esquecimento, mas mãe da criança contou que, na verdade, as portas e janelas travaram com a menina dentro do carro.

Segundo Carolina Priscila, ela saía de casa com a filha, no bairro Fonte Grande, e colocou a menina dentro do carro. Quando foi dar a volta para ir para o banco do volante, viu que o carro travou, com a pequena dentro do veículo.

"Fiquei muito desesperada no momento porque a chave estava lá dentro do carro, mas não estava na ignição. Não sei como isso foi possível. Comecei a gritar de desespero e os vizinhos tiveram que me ajudar", afirmou.

Foram cerca de 15 minutos de tensão, enquanto aguardava a chegada de um chaveiro e da Guarda Municipal de Contagem, que atendeu a ocorrência. Contactada pelo Hoje em Dia, a Guarda confirmou que não se tratou de esquecimento, como havia sido relatado pelos Bombeiros, e sim, de um relato de criança presa no carro.

Carolina contou também que, com medo do que poderia acontecer à sua filha enquanto estava dentro do carro, desistiu de esperar que o chaveiro conseguisse abrir a porta. "Autorizei que quebrasse o vidro. O que eu queria era ter minha filha no colo logo, e bem", comentou.

Quando divulgou o caso, na última quarta-feira, os Bombeiros relataram que duas viaturas foram enviadas ao bairro Fonte Grande, mas que quando chegaram lá, os responsáveis pela criança já tinham resgatado o bebê "esquecido". Contudo, a versão não corresponde ao que Carolina e os vizinhos contam.

A mãe diz que os Bombeiros sequer chegaram ao local enquanto ela estava lá. "Quem me atendeu foi apenas a Guarda Municipal de Contagem. Se os Bombeiros chegaram foi depois. Não esqueci minha filha no carro, sequer saí do lado do carro enquanto esperava por ajuda", relatou.

Por causa da repercussão do caso como esquecimento, Carolina diz que estava sendo ameaçada em redes sociais e que ficou dois dias sem dormir em casa, com medo de retaliações.

"Quero que a verdade seja divulgada. Minha filha não foi esquecida dentro do carro. Ela ficou presa enquanto eu ia para o banco do motorista e a chava nem estava na ignição. Nem sei como isto ocorreu ainda. Fica a lição para mim e outras mães. Um alerta", comentou.

*Esta reportagem foi originalmente publicada como se o bebê tivesse sido esquecido dentro de casa, conforme as informações repassadas pelo Corpo de Bombeiros. A matéria foi atualizada no dia 28/02, com informações de Bruno Inácio

Leia Mais:
Governo prorroga prazo para aplicação da nova carteira de identidade
Coronavírus: governo tenta evitar escassez de equipamento de segurança
Com homenagem a Ronaldo Fraga, Canto da Alvorada vence o Carnaval 2020 em BH