Durante o período de chuva, os moradores dos aglomerados e áreas de risco de Belo Horizonte ficam em alerta por conta dos riscos de deslizamentos e alagamentos. Segundo a Defesa Civil, no acumulado de chuva de janeiro, até as 15h desta sexta-feira (3), as regiões mais afetadas foram a Noroeste, com 146,2 mm; Oeste, com 131 mm; e Venda Nova, que choveu, em poucas horas no primeiro dia do ano, 129,2 mm.

De acordo com a Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte (Urbel), 1.100 casas estão em áreas de risco geológico nas vilas e favelas. A maioria dessas residências está localizada nos aglomerados da Serra, na região Centro-Sul, onde choveu 120,6 mm (37% do esperado para janeiro); e no Taquaril, na região Leste, onde o índice chegou a 30% do esperado para todo o mês, com 97,8 mm.

A orientação da PBH para quem vive nesses locais é ficar atento aos sinais de risco, como trincas e rachaduras nas paredes, chão ou perto dos barrancos. Cercas, árvores e postes inclinados também devem ser observados, assim como degraus no terreno causados pela movimentação de encostas. 

Área de Risco

Muros e paredes estufados também são sinal de alerta e, nesses casos, a população deve entrar em contato com o Disque Vistoria da Urbel, pelo telefone 3277-6409, em horário comercial, ou com a Defesa Civil, pelo 199, que funciona 24 horas. 

Área de Risco

Pear

A prefeitura informou que o Programa Estrutural em Área de Risco (Pear) atua nas vilas e favelas para evitar acidentes graves e que trabalho é executado através de vistorias, obras de manutenção, intervenções com mão de obra do morador e atividades de prevenção ao risco geológico.

Além disso, técnicos da Urbel realizam atividades de prevenção ao risco para alunos da Escola Integrada e capacitam os voluntários, dos Núcleos de Defesa Civil (Nudec) e Núcleos de Alerta de Chuva (NAC), para que atuem como parceiros da prefeitura nas áreas de risco.

Durante o período chuvoso, o Pear realiza o acompanhamento dos dados pluviométricos e repassa o alerta aos voluntários. O programa ainda realiza o monitoramento de moradias com sinalização através de faixas, colocação de lonas nas encostas e isolamento de cômodos, obras emergenciais, remoções preventivas, temporárias e definitivas.