Com o avanço da Covid-19 em Belo Horizonte, o crescimento no nível de ocupação das UTIs destinadas a pacientes com a doença e o aumento do número de casos entre as crianças, o prefeito Alexandre Kalil determinou o fechamento das atividades não essenciais por tempo indeterminado. Será o quarto lockdown na cidade, todos com o mesmo objetivo: frear o número de mortes pelo coronavírus.

A medida começa a valer neste sábado (6), a partir das 14h. Com isso, bares, restaurantes, clubes, academias, parques e outras atividades não terão autorização para funcionar. Segundo o gestor municipal, só haverá nova flexibilização quando os indicadores que monitoram a pandemia na cidade apresentarem melhoras.

“São números absolutamente assustadores. Voltamos à estaca zero”, afirmou o chefe do Executivo municipal. “Peço desculpas ao comércio, ao trabalhador, mas temos números diários e, por isso, não vou esperar segunda-feira”, completou.

De acordo com o boletim epidemiológico da prefeitura divulgado nessa sexta-feira, a taxa de ocupação disparou de 74,4% na quinta para 81% ontem. Com o índice no nível vermelho e crescendo diariamente, a opção da gestão foi interromper o funcionamento da cidade mais uma vez.

O último fechamento da cidade ocorreu em janeiro deste ano, durou três semanas e contou com protestos de diversas frentes, como lojistas e donos de bares e restaurantes.

A decisão de ontem aconteceu dois dias depois de o secretário de Saúde, Jackson Machado Pinto, afirmar que não haveria recuo nas medidas de combate ao vírus. Por conta do crescimento do número de casos, a prefeitura precisou voltar atrás e determinar novo endurecimento nas regras de funcionamento.

Internações e variantes
Nessa sexta, o secretário de saúde informou que oito crianças estão internadas em hospitais de BH por complicações da Covid-19, todas em leitos de enfermarias. São duas de 6 anos, uma de 4, uma de 3 anos, uma de 2, e uma de 1, além de dois bebês – um de 2 e outro de 4 meses.

Além disso, de acordo com o infectologista Unaí Tupinambás, membro do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 em BH, três variantes já foram identificadas pela Fundação Oswaldo Cruz na cidade. Segundo o médico, as cepas brasileiras P1 e P2 e a B.1.1.7, com origem no Reino Unido, já foram detectadas e nem todos os imunizantes atuais são capazes de combatê-las, o que as tornam mais perigosas.

“Podem escapar, às vezes, do efeito da vacina. Podem causar uma reinfecção, mas parece, e vamos precisar de mais um tempo para perceber isso, que podem ser mais grave, com letalidade maior”, afirmou.

Confira o que pode funcionar a partir deste sábado:

5h às 22h:
- Padaria

5h às 17h
- Comércio atacadista da cadeia de atividades do comércio varejista da fase de controle

- 7h às 21h:
- Comércio varejista de laticínios e frios
- Açougue e Peixaria 
- Hortifrutigranjeiros 
- Minimercados, mercearias e armazéns 
- Supermercados e hipermercados
- Tintas, solventes e materiais para pintura
- Material elétrico e hidráulico, vidros e ferragem
- Madeireira
- Material de construção em geral

Sem restrição de horário:
- Artigos farmacêuticos 
- Comércio varejista de artigos de óptica 
- Artigos médicos e ortopédicos 
- Combustíveis para veículos automotores
- Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP)
- Agências bancárias: instituições de crédito, seguro, capitalização, comércio e administração de valores imobiliários
- Casas lotéricas
- Agências dos Correios e telégrafo
- Comércio de medicamentos para animais
- Atividades industriais
- Restaurantes (delivery ou retirada na porta)
- Banca de jornais e revistas