Atraídos pelo sistema de ensino de qualidade, oportunidade de trabalhar durante o período de estudo e o câmbio favorável do dólar australiano (AUD) e da Nova Zelândia (NZD), os brasileiros cada vez mais, têm escolhido países da Oceania como destino para estudar. De olho nisso, a LAE Educação Internacional, consultoria especializada em intercâmbio, realiza em Belo Horizonte, na próxima terça-feira (28), a segunda edição da Expo Educação Austrália e Nova Zelândia.


Na capital mineira, o evento, que é gratuito, acontece das 16h às 20h, no hotel Mercure Lourdes, na avenida do Contorno, 7315. Serão realizadas várias palestras, com esclarecimentos de dúvidas sobre bolsas de estudo, além de mesa-redonda com alunos e detalhamento de oportunidades para quem deseja fazer pós-graduação. Os interessados também terão a chance de conversar com representantes das universidades e tirar todas as dúvidas a respeito de cursos de inglês, técnicos, graduação, MBA, mestrado e doutorado.


A entrada na sala será ordenada por fila, pois as vagas são limitadas. A cada sessão a sala será esvaziada. O evento já passou pelas cidades de Porto Alegre (23) e Curitiba (25). Neste domingo (26), é a vez de São Paulo. A 1ª edição da Expo Educação Austrália e Nova Zelândia reuniu cerca de 10 mil estudantes em todo o país.


Entre as instituições confirmadas estão: University of Melbourne, University of Sydney, University of Western Australia, University of Queensland, Monash University, que fazem parte do Group of 8, grupo que reúne as oito melhores universidades australianas. A Nova Zelândia será representada pela Massey University. A presença dos governos da Austrália e Nova Zelândia também está confirmada, além dos parceiros Universia e da seguradora Affinity.


​De acordo com Debora Machado, diretora da LAE Educação Brasil, o evento é uma oportunidade para o candidato conhecer o perfil de cada instituição. “Pela nossa experiência, o contato direto do aluno com os representantes das universidades proporciona escolhas muito mais assertivas. Cada instituição tem sua metodologia de ensino e ela deve ser considerada tanto quanto as disciplinas dos cursos de interesse”, afirma.