Belo Horizonte registrou nesta quarta-feira (11) o dia mais quente do inverno, com a temperatura máxima em 34,6°C. Até então, o último recorde de temperatura na capital mineira nesta estação havia sido de 33,7°C no dia 4 deste mês. As altas temperaturas desta semana estão relacionadas a uma massa de ar seco que atua sobre o Estado.

Mas, até esta sexta-feira (13) o calorão promete se intensificar ainda mais em BH. Para este dia está prevista a máxima de 36°C, o que significa que BH terá um novo recorde de calor não só do inverno, mas de todo o ano. Em 2019, a máxima já registrada na cidade foi de 35°C. 

Segundo o meteorologista Claudemir Azevedo, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), embora as altas temperaturas contrastem com o clima esperado para o inverno, isso é comum de ocorrer no fim da estação. 

Já a temperatura mínima registrada nesta quarta em BH foi de 17°C, e ela também deve subir ao longo da semana, podendo chegar aos 19°C até sexta.  

A boa notícia é que os termômetros devem cair no fim de semana, quando a temperatura máxima prevista não deverá passar dos 30°C. 

Já quanto à  chuva, não há previsão e nem sinal para os próximos dias. O último registro relevante de chuva na capital mineira foi no dia 14 de junho, e com baixo volume. No dia 23 de agosto houve um pequeno registro em alguns lugares da cidade mas a estação meteorológica nem chegou a registrar. 

A umidade relativa do ar gira em torno de 20% na tarde desta quarta-feira, segundo a Defesa Civil de Belo Horizonte, nível muito abaixo do recomendado para a manutenção da saúde humana, que é de, no mínimo, 60%, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Já no Estado, a temperatura máxima registrada foi de 39,6°C em São Romão, no Norte de Minas, e a mínima, de 9,6°C, em Monte Verde, na região Sul.

Leia mais:

Calor extremo do verão francês matou pelo menos 1,5 mil pessoas, afirma governo
Amazônia de cada esquina: essenciais, árvores são 'eliminadas' até com óleo de cozinha em BH
Fim de semana deve ser o primeiro de um setembro quente e seco, aponta previsão